Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

cinema

Notícia da edição impressa de 13/03/2020. Alterada em 13/03 às 03h00min

John Andreas Andersen aborda relações familiares em meio a uma tragédia

Longa 'Terremoto' segue a premissa de um abalo sísmico ocorrido na Noruega, em 1904

Longa 'Terremoto' segue a premissa de um abalo sísmico ocorrido na Noruega, em 1904


CALIFÓRNIA FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
No ano de 1904, Oslo foi atingida por um abalo sísmico de 5,4 graus na escala Richter. A partir desta premissa verídica, o diretor John Andreas Andersen estreia na tela grande com o longa-catástrofe Terremoto.
No ano de 1904, Oslo foi atingida por um abalo sísmico de 5,4 graus na escala Richter. A partir desta premissa verídica, o diretor John Andreas Andersen estreia na tela grande com o longa-catástrofe Terremoto.
A história acompanha o drama de Kristian, cuja filha, Julia, está desesperadamente buscando a atenção do pai, além de Idun, mulher que foi a grande paixão de Kristian. A intenção do diretor foi usar as relações familiares para atrair a empatia do público, oferecendo ação sem deixar de lado os aspectos humanos da tragédia.
O longa é ambientado na atualidade. No início do projeto, Andersen considerava absurdo um filme sobre terremoto em Oslo, mas acabou descobrindo ao longo do processo que a Noruega é a área sísmica mais ativa no Norte europeu e que é esperado que um novo incidente, semelhante ao de 1904, ocorra no futuro.