Porto Alegre, sexta-feira, 06 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Cinema

Notícia da edição impressa de 06/03/2020. Alterada em 06/03 às 03h00min

Primeiro longa de Eliane Foster, 'Meio irmão' estreia nas salas brasileiras

Natália Molina foi premiada em Bagé pela sua atuação no filme

Natália Molina foi premiada em Bagé pela sua atuação no filme


PLAY/DIVULGAÇÃO/JC
Depois de percorrer diversos festivais, o drama nacional Meio irmão, de Eliane Coster, finalmente estreia nas salas brasileiras. O primeiro longa da diretora foi eleito pelo público o Melhor Filme Brasileiro de Ficção na 42ª Mostra Internacional de São Paulo e recebeu o Prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) de Melhor Filme Brasileiro de Diretor Estreante. No fim de 2018, a atriz Natália Molina esteve em Bagé para representar o filme e levar para casa o troféu de melhor atriz do X Festival Internacional de Cinema da Fronteira.
Depois de percorrer diversos festivais, o drama nacional Meio irmão, de Eliane Coster, finalmente estreia nas salas brasileiras. O primeiro longa da diretora foi eleito pelo público o Melhor Filme Brasileiro de Ficção na 42ª Mostra Internacional de São Paulo e recebeu o Prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) de Melhor Filme Brasileiro de Diretor Estreante. No fim de 2018, a atriz Natália Molina esteve em Bagé para representar o filme e levar para casa o troféu de melhor atriz do X Festival Internacional de Cinema da Fronteira.
O argumento dramático da trama é a sobrevivência de uma adolescente sozinha em casa, após o sumiço da mãe. O drama constrói um retrato da classe média baixa na capital paulista ao mostrar o enfrentamento da falta de dinheiro, de liberdade, de respeito e de espaços, como acontece nas periferias de toda grande cidade.
Sandra (Natália Molina), de 16 anos, está desorientada e sem dinheiro. Ela se vê obrigada a procurar seu meio irmão por parte de pai, com quem tem pouco contato. O jovem também encara seus problemas pessoais. Juntos, eles enfrentam seus terrores e resgatam um afeto que havia se perdido.