Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Artes cênicas

Notícia da edição impressa de 14/02/2020. Alterada em 14/02 às 17h13min

Ator Lucas Fiorindo leva espetáculo solo ao Meme Estação Cultural

'Ficções do interlúdio' tem sessões nesta sexta-feira e no sábado

'Ficções do interlúdio' tem sessões nesta sexta-feira e no sábado


/FÁBIO MASCARIN/DIVULGAÇÃO/JC
Espetáculo solo do ator paranaense Lucas Fiorindo, Ficções do interlúdio estará em cartaz no Meme Estação Cultural (Lopo Gonçalves, 176), nesta sexta-feira (14) e no sábado (15), às 21h. Inspirada no livro de mesmo nome de Fernando Pessoa, a peça recria a figura do poeta e o esquema geral dos seus heterônimos, projetando-os nas angústias de um ator em crise. Os ingressos custam R$ 30,00 na opção solidária (mediante doação de alimento não perecível) e podem ser adquiridos no site Sympla.
Espetáculo solo do ator paranaense Lucas Fiorindo, Ficções do interlúdio estará em cartaz no Meme Estação Cultural (Lopo Gonçalves, 176), nesta sexta-feira (14) e no sábado (15), às 21h. Inspirada no livro de mesmo nome de Fernando Pessoa, a peça recria a figura do poeta e o esquema geral dos seus heterônimos, projetando-os nas angústias de um ator em crise. Os ingressos custam R$ 30,00 na opção solidária (mediante doação de alimento não perecível) e podem ser adquiridos no site Sympla.
Depois de um fracasso ao tentar encenar O Fausto, de Goethe, Fernando se põe a questionar o sentido profundo de seu teatro. Nessa busca, revisa a sua vocação para criar personalidades fictícias e, nisso, relembra três antigos e queridos "conhecidos inexistentes". Envolto em uma aura de nostalgia e fingimento, ele acaba por reconhecer seu mestre da arte e da vida. A direção e o figurino ficam a cargo de Tânia Farias.
Ativo no teatro maringaense desde 2010, Fiorindo passou por grupos como TUM - Teatro Universitário de Maringá e Circo Teatro sem Lona. Atualmente se dedica à pesquisa do trabalho do ator e da transposição da poesia para o teatro.