Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

teatro

- Publicada em 22h10min, 22/01/2020.

Espetáculo 'Grandes encontros da MPB' promove viagem de décadas por meio das canções

Musical explora em encenação o cancioneiro nacional desde os anos 1950 até a atualidade

Musical explora em encenação o cancioneiro nacional desde os anos 1950 até a atualidade


CAIO GALUCCI/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
Uma viagem desde os anos 1950 até a atualidade pela música nacional. Com o espetáculo Grandes encontros da MPB, o diretor Sergio Módena quer transportar o público pelas diferentes etapas e gêneros da canção do Brasil. Os ingressos para a apresentação desta sexta-feira (24), às 21h, e para as duas de sábado (25), às 18h e às 21h, no Teatro do Prédio 40 da Pucrs (Ipiranga, 6.681), podem ser comprados pelo site Sympla.
Uma viagem desde os anos 1950 até a atualidade pela música nacional. Com o espetáculo Grandes encontros da MPB, o diretor Sergio Módena quer transportar o público pelas diferentes etapas e gêneros da canção do Brasil. Os ingressos para a apresentação desta sexta-feira (24), às 21h, e para as duas de sábado (25), às 18h e às 21h, no Teatro do Prédio 40 da Pucrs (Ipiranga, 6.681), podem ser comprados pelo site Sympla.
Módena é um participante do projeto desde o começo, quando conversava com a Aniela Jordan, uma das sócias da produtora Aventura ao lado de Luiz Calainho, sobre o espetáculo. "As ideias foram sendo debatidas e evoluindo até o que chegou aos palcos. Também passávamos por mudanças no período em que estávamos na sala de ensaio, buscando sempre melhorar a obra", aponta o diretor.
Assim, a estrutura escolhida foi de uma apresentação em formato de show teatralizado. "Isso é possível pois temos seis atores que também são cantores." O que vale ser destacado, conforme Módena, é que a atuação ainda é o principal elemento da montagem. "A história é contada por meio da encenação, mas com a forte presença da música. Afinal, falamos de MPB e devemos explorar esse lado", argumenta. Ele acrescenta que este é um formato que surpreende e se torna agradável para o público.
Por conta do elemento musical presente, há também a direção musical, encarregada por Délia Fischer. "Musical tem determinados gêneros que são dominantes. Em Grandes encontros da MPB, existe um mix desses estilos, o que torna um desafio para que possamos oferecer uma unidade cênica. Existe uma comunicação entre os diretores para compreender melhor o que deve ser feito - deve deixar a vaidade de lado, ouvir o profissional ao lado", explica Módena. A importância de escutar o parceiro de trabalho fica mais justificada em função da inclusão dos arranjos musicais do espetáculo, que foram posicionados para valorizar o lado cênico da produção, com os atores também trabalhando com a mesma orientação.
Para a seleção das composições que estão presentes na montagem, o diretor destaca a dificuldade de conseguir fazer um apanhado. "A MPB é riquíssima, e optar por uma ou outra canção é um processo complexo. No final, escolhemos canções marcantes e de excelência, que retratam bem o período ao qual pertencem, desde os anos 1950 até hoje. São influentes e se tornam eternas por conta disso", comenta o diretor.
Entre os selecionados, as homenagens lembram grandes parcerias da música nacional, com o elenco interpretando É proibido fumar, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos; Flutua, de Johnny Hooker e Liniker; Se todos fossem iguais a você, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, além de Barão Vermelho, Blitz, Paralamas, Tim Maia, Titãs e outros. "Eram relações amistosas, com afetividade envolvida que excedia o lado artístico. Eles compunham em conjunto." Da Jovem Guarda ao Samba, Ariane Souza, Bruna Pazinato, Édio Nunes, Franco Kuster, Júlia Gorman e Thiago Machado formam o elenco que apresentam, por meio de depoimentos bem-humorados, histórias das parcerias.
Como forma de representar a diversidade da MPB, a montagem se inicia com uma composição de Gabriel, O Pensador, que o diretor explica servir como a abertura para estabelecer o conceito do espetáculo, passando, em seguida, por Jovem Guarda, Bossa Nova, Mangue Beat. "É importante que o público perceba a variedade da música brasileira e reconheça a riqueza da arte nacional, consumindo aquilo que é produzido aqui", citando o Baião de Luiz Gonzaga pela capacidade de comunicar com diversas pessoas: mesmo quem não ouviu, parece que já conhece.
"A reunião em si de um grupo de músicas como a do Grandes encontros da MPB já comunica o que deve: permanecem pela qualidade, pelo que falam. É emocional escutá-las, e queremos que o espetáculo também seja uma experiência de mesmo nível", finaliza Módena.
Comentários CORRIGIR TEXTO