Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cinema

- Publicada em 03h33min, 23/12/2019. Atualizada em 03h00min, 23/12/2019.

Cineclube Torres exibe 'Estado das coisas', clássico de Wim Wenders

Filme de 1982 venceu o Leão de Ouro, em Veneza

Filme de 1982 venceu o Leão de Ouro, em Veneza


HENRI ALEKAN/DIVULGAÇÃO/JC
Atração no Cineclube Torres desta segunda-feira (23), o filme O estado das coisas (1982), de Wim Wenders, encerra o ciclo de dezembro, O cinema no cinema. Em 2019, foram, ao todo, mais de 70 exibições, entre sessões escolares, infantojuvenis e para o público em geral. Neste ano, o projeto teve fomento via um edital público estadual do Fundo de Apoio à Cultura do sistema Procultura/RS.
Atração no Cineclube Torres desta segunda-feira (23), o filme O estado das coisas (1982), de Wim Wenders, encerra o ciclo de dezembro, O cinema no cinema. Em 2019, foram, ao todo, mais de 70 exibições, entre sessões escolares, infantojuvenis e para o público em geral. Neste ano, o projeto teve fomento via um edital público estadual do Fundo de Apoio à Cultura do sistema Procultura/RS.
O clássico O estado das coisas é um título central na obra do diretor alemão. Filmado majoritariamente em preto e branco, e rodado, em grande parte, em Portugal, perto de Sintra, na Praia Grande, este ensaio sobre o tempo, o espaço e o cinema viria a vencer o Leão de Ouro, em Veneza, antecedendo a explosão da cor e dos espaços do filme sucessivo Paris, Texas (1984), a sua única Palma de Ouro de Cannes.
No longa, uma equipe de cinema roda, perto do litoral, uma história de ficção científica pós-apocalíptica. Acabam película e dinheiro, o produtor desaparece, e a equipe é obrigada a ficar num hotel abandonado às margens da praia. A sessão, com entrada franca, ocorre às 20h, no Auditório José António Picoral, na Casa da Terra, o antigo Centro Municipal de Cultura de Torres.
Comentários CORRIGIR TEXTO