Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de dezembro de 2019.
Dia Nacional do Astrônomo. Dia do Samba. Dia Pan-Americano da Saúde.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Artes visuais

Edição impressa de 02/12/2019. Alterada em 02/12 às 03h00min

Vitório Gheno inaugura sua nova exposição, 'Cidades paralelas'

Exposição na galeria Flâneur vai até o dia 14 de dezembro

Exposição na galeria Flâneur vai até o dia 14 de dezembro


NÁDIA RAUPP MEUCCI/DIVULGAÇÃO/JC
O artista Vitório Gheno inaugura nesta segunda-feira (2) a exposição Cidades paralelas na galeria Flâneur (Benjamin Constant, 1.023), das 18h às 21h. O evento também festeja o aniversário do espaço cultural, fundado há 33 anos pela produtora cultural e fotógrafa Nádia Raupp Meucci. A visitação vai até 14 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h, e aos sábados, das 11h às 14h.
O artista Vitório Gheno inaugura nesta segunda-feira (2) a exposição Cidades paralelas na galeria Flâneur (Benjamin Constant, 1.023), das 18h às 21h. O evento também festeja o aniversário do espaço cultural, fundado há 33 anos pela produtora cultural e fotógrafa Nádia Raupp Meucci. A visitação vai até 14 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h, e aos sábados, das 11h às 14h.
Gheno cria com determinação e liberdade, independentemente do tema. Seu segredo é pintar diariamente, mesmo que seja por apenas uma hora. "Quando adolescente, eu tinha que refazer muitas vezes a mesma ilustração, até satisfazer o artista gráfico alemão Ernst Zeuner, então chefe da notável Seção de Desenho da Livraria do Globo, onde comecei a trabalhar com 14 anos. Portanto, aprendi o desenho com disciplina, desde cedo", afirma.
Nesta nova exposição, o artista apresenta duas séries novas. As obras de Cidades paralelas foram nascendo gradativamente, a partir da já consagrada série Aldeias urbanas, do início do século XXI. "O artista tem que mudar e se reinventar permanentemente, neste mundo onde a tecnologia e as redes sociais voam", completa Gheno. Representando uma das suas atuais inquietações, a série Queimadas é inédita, feita em nanquim sobre papel, chamada de "aguada" por ele. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia