Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de novembro de 2019.
Dia do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

teatro

Edição impressa de 25/11/2019. Alterada em 24/11 às 22h58min

Theatro São Pedro recebe adaptação de conto de Clarice Lispector

Ana Beatriz Nogueira interpreta Margarida no espetáculo 'Um dia a menos' nesta terça-feira (26)

Ana Beatriz Nogueira interpreta Margarida no espetáculo 'Um dia a menos' nesta terça-feira (26)


DALTON VALÉRIO/DIVULGAÇÃO/JC
Um dos últimos contos escritos por Clarice Lispector, Um dia a menos recebe uma única apresentação teatral no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº), às 21h desta terça-feira (26). Os ingressos podem ser adquiridos por R$ 40,00 (galeria) e R$ 100,00 (plateia e cadeiras extras).
Um dos últimos contos escritos por Clarice Lispector, Um dia a menos recebe uma única apresentação teatral no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº), às 21h desta terça-feira (26). Os ingressos podem ser adquiridos por R$ 40,00 (galeria) e R$ 100,00 (plateia e cadeiras extras).
O espetáculo também serve como uma celebração para os 35 anos de carreira da atriz Ana Beatriz Nogueira. Adaptado e dirigido por Leonardo Netto, o texto trata de solidão e dos muros que podemos levantar ao nosso redor, sem que nem saibamos.
A montagem apresenta a personagem Margarida, que - desde a morte da mãe - vive sozinha na mesma casa em que nasceu e cresceu. Utilizando uma poltrona, uma mesa de apoio e um telefone, a atriz busca que seu trabalho faça com que o público enxergue uma casa inteira.
Em sua rotina, ela esquenta a comida, almoça, fica a tarde inteira torcendo para que o telefone toque e procura o que fazer até a hora da janta. Quando a noite chega, é um dia a menos que ela terá de repetir esse processo. Isso muda quando ela se encontra esgotada pela repetição incessante, decidindo pelo inesperado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia