Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de outubro de 2019.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

gente

07/10/2019 - 12h23min. Alterada em 07/10 às 12h24min

Nina Horta, cronista de gastronomia, morre aos 80 anos em São Paulo

A cronista de gastronomia Nina Horta morreu aos 80 anos na noite deste domingo (6) em São Paulo. Empresária, colunista do jornal Folha de S.Paulo e autora de livros como O frango ensopado da minha mãe e Não é Sopa!, Nina lutava contra um câncer e foi vítima de infecção generalizada.
A cronista de gastronomia Nina Horta morreu aos 80 anos na noite deste domingo (6) em São Paulo. Empresária, colunista do jornal Folha de S.Paulo e autora de livros como O frango ensopado da minha mãe e Não é Sopa!, Nina lutava contra um câncer e foi vítima de infecção generalizada.
O velório está sendo realizado na manhã desta segunda-feira (7) e o enterro estava marcado para as 11h, no Cemitério do Morumbi.
Nina foi uma das maiores cronistas de gastronomia do País. Mantinha sua coluna na Folha desde 1987. Seu último post foi no dia 6 de fevereiro. Em Pequenas Coisas, contava a história de uma "casinha jeitosa" que sobreviveu, sozinha, ao estouro da barragem de Brumadinho.
Sua primeira coletânea de crônicas, Não é Sopa! (Cia. das Letras), foi publicada em 1995. Em 2016, ganhou o Prêmio Jabuti de gastronomia com O Frango Ensopado da Minha Mãe (Cia. das Letras), que reunia textos publicados no jornal nos últimos 20 anos. O livro é leitura obrigatória para quem gosta de ler e comer.
Mineira, Nina Horta passou a maior parte de sua vida em São Paulo, mas tinha verdadeira paixão por Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro, onde manteve um sítio por mais de 30 anos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia