Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
Feriado no RS - Revolução Farroupilha.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Olha Só!

20/09/2019 - 13h57min. Alterada em 20/09 às 14h27min

O que fazer em Porto Alegre no fim de semana

Segundo dia de funcionamento do Acampamento Farroupilha.

Segundo dia de funcionamento do Acampamento Farroupilha.


LUIZA PRADO/JC
O que fazer no fim de semana em Porto Alegre? A área de Cultura do Jornal do Comércio está sempre repleta de eventos de música, teatro, cinema, livros, dança, artes plásticas e muitas outras opções e que estarão todas as sextas-feiras na seção Olha Só! no finde, com o colunista Ivan Mattos.
O que fazer no fim de semana em Porto Alegre? A área de Cultura do Jornal do Comércio está sempre repleta de eventos de música, teatro, cinema, livros, dança, artes plásticas e muitas outras opções e que estarão todas as sextas-feiras na seção Olha Só! no finde, com o colunista Ivan Mattos.
Em vídeo, Ivan vai dar as suas indicações do que está rolando, com base nos conteúdos produzidos pela equipe da editoria de Cultura que estão nos cadernos Panorama e Viver da semana. 

> Confira as principais dicas para o finde

Sexta a domingo:
Acampamento Farroupilha: O clima deve trazer sol e temperaturas amenas no fim de semana, com mínimas variando entre 8°C e 9°C e máximas chegando a 19°C no sábado e no domingo. Com isso, uma das opções de lazer da Capital gaúcha é o Acampamento Farroupilha, que segue até domingo (22) no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Harmonia). O evento tem participação de mais de 340 galpões de entidades tradicionalistas, com programações culturais, gastronômicas e campeiras. Veja atrações como Guri de Uruguaiana.
Cinema
Legalidade: filme dirigido por Zeca Brito, realizado no Rio Grande do Sul, remonta ao episódio homônimo de 1961, quando o governador gaúcho, Leonel Brizola, liderou um movimento que garantisse o cumprimento da Constituição Federal. O filme vai ficar apenas uma semana em cartaz. Onde assistir: Casa de Cultura Mario Quintana - Sala Paulo Amorim (19h30min) e Sala Eduardo Hirtz (16h45min) - telefone (51) 3221-7147, no Espaço Itaú 8 (17h10min, 21h20min) - (51) 3341-0576, no GNC Moinhos 1 (16h30min, 21h20min) - (51) 3224-0877, e no Guion Center 2 (14h15min, 16h30min, 21h) - (51) 3221-3122. Leia mais sobre o filme
Bacurau: O filme está em cartaz Rodado no povoado de Barra, na fronteira do Rio Grande do Norte com a Paraíba, no sertão do Seridó, o western Bacurau teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, onde arrebatou o Prêmio Especial do Júri. Depois, recebeu o prêmio de melhor filme na principal mostra do Festival de Munique e foi convidado para mais de uma centena de eventos. Onde assistir: Casa de Cultura Mario Quintana - Sala Eduardo Hirtz (14h15min, 19h, e 21h30min) - (51) 3221-7147, no Cine Bancários (17h), no Cinemark BarraShoppingSul 8 (sábado e domingo, às 19h) e Espaço Itaú 7 (13h30min, 16h, 18h30min e 21h).
Sábado e domingo
Teatro
Porto Alegre Em Cena: São mais de 10 peças até domingo (22) no último fim de semana do festival. Gota D'Àgua {Preta} é um dos recomendados e está no Theatro São Pedro. O ator, diretor e dramaturgo Je Oliveira - fundador do Coletivo Negro e indicado ao Prêmio Shell 2019 na categoria Inovação, apresenta uma releitura da obra que transita entre diferentes ritmos, como rap e MPB. Confira mais sobre a peça e a programação completa do Porto Alegre Em Cena.
Para ler a qualquer hora
Reportagem Cultural da semana no caderno Viver, do JC. A obra-prima do principal nome da literatura gaúcha completa 70 anos em 2019. Erico Verissimo publicou O continente, primeira parte de O tempo e o vento, painel que retrata a história do Rio Grande do Sul em meio a guerras de fronteira e lutas pelo poder entre oligarquias, em dezembro de 1949. A trilogia foi complementada com O retrato, em 1951, e O arquipélago, em 1961. "O que até hoje impressiona é a coragem (na falta de outra palavra) do autor em se lançar numa obra sem precedentes na literatura brasileira, inédita na forma, na pretensão e na dimensão - diferente, inclusive, de tudo que ele escrevera antes e viria a escrever depois", diz o filho, Luis Fernando Verissimo. Confira o texto completo da reportagem assinada por Paulo César Teixeira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia