Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

música

Edição impressa de 10/09/2019. Alterada em 10/09 às 03h00min

Grupo Tom Jobim Instrumental se apresenta na Biblioteca Pública

Dinho Oliveira é atração no Chapéu Acústico ao lado do pianista Luiz Mauro Filho

Dinho Oliveira é atração no Chapéu Acústico ao lado do pianista Luiz Mauro Filho


/MARCOS MONTEIRO/DIVULGAÇÃO/JC
No mês em que o Chapéu Acústico completa três anos, Tom Jobim Instrumental retorna para o projeto. Apresentado pelo pianista Luiz Mauro Filho e pelo guitarrista Dinho Oliveira, a entrada para o show, que acontece na Biblioteca Pública do Estado (Riachuelo, 1.190), às 19h, é mediante contribuição espontânea.
No mês em que o Chapéu Acústico completa três anos, Tom Jobim Instrumental retorna para o projeto. Apresentado pelo pianista Luiz Mauro Filho e pelo guitarrista Dinho Oliveira, a entrada para o show, que acontece na Biblioteca Pública do Estado (Riachuelo, 1.190), às 19h, é mediante contribuição espontânea.
Contando com novas músicas de Jobim, Oliveira e Luiz Mauro Filho buscam transformar em música alguns dos sonoros intitulados papos jobinianos. Apresentando uma obra menos conhecida do músico, algumas das raridades serão Two Kites, Estrada branca, Radamés y Pelé, Marina Del Rey, Mojave, além de outros que quem comparecer poderá apreciar.
Guitarrista e compositor, Oliveira é conhecido pelos sons singulares e precisos os quais produz. Ele também é responsável pelo aplicativo MobiDic Chords, que consiste em um dicionário de acordes. Já Luiz Mauro Filho é vencedor do prêmio de Melhor Instrumentista no III Festival do Choro de Porto Alegre, em 1993, e participou de três discos e shows de Nei Lisboa, além de compor temas instrumentais e arranjos para demais compositores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia