Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Espetáculo

- Publicada em 03h30min, 28/08/2019. Atualizada em 10h31min, 28/08/2019.

Xaxados e Perdidos celebra dez anos de sucesso nos palcos

Espetáculo, que estreou em 2009 na Sala Álvaro Moreyra, foi concebido por Simone Rasslan, Álvaro RosaCosta e Beto Chedid

Espetáculo, que estreou em 2009 na Sala Álvaro Moreyra, foi concebido por Simone Rasslan, Álvaro RosaCosta e Beto Chedid


VANESSA SCHWARTZ/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
São 10 anos de estrada e muita história para contar. Nesta quarta-feira (28), o espetáculo Xaxados e Perdidos celebra a trajetória com uma apresentação, às 21h, no Theatro São Pedro (praça Mal. Deodoro, s/nº). O show, ganhador de quatro prêmios Açorianos, tem ingressos vendidos entre R$ 30,00 (galerias) e R$ 80,00 (plateia e cadeiras extras).
São 10 anos de estrada e muita história para contar. Nesta quarta-feira (28), o espetáculo Xaxados e Perdidos celebra a trajetória com uma apresentação, às 21h, no Theatro São Pedro (praça Mal. Deodoro, s/nº). O show, ganhador de quatro prêmios Açorianos, tem ingressos vendidos entre R$ 30,00 (galerias) e R$ 80,00 (plateia e cadeiras extras).
A primeira exibição de Xaxados e Perdidos ocorreu em 2009, na Sala Álvaro Moreyra. O espetáculo foi concebido por Simone Rasslan, Álvaro RosaCosta e Beto Chedid. Realizado no formato de arena, com o público ao redor e os artistas à paisana no meio da plateia, o sentimento que o espetáculo trazia era diferente. "É uma sensação de estar dentro do que acontece na performance, em um ambiente aconchegante, como a sala de casa. É uma forma de abraçar o público com a música popular brasileira", destaca Simone.
Notícias sobre cultura são importantes para você?
A seleção das músicas do repertório destaca diversas canções brasileiras, muitas delas representando diferentes momentos da vida de Simone. Muitas estavam "guardadas" em uma gaveta, esperando o momento certo. "Eu precisava fazer algo com elas. O Xaxados foi uma forma de colocar estas canções na voz das pessoas e de propiciar uma experiência diferente para elas", afirma ela.
E a importância de destacar tais músicas é a de fazer com que elas não sejam esquecidas pelo público. Simone relembra que as canções são como um documento do Brasil, que precisam vir a público. Na sua visão como professora, ela percebe que o jovem não aprecia a produção musical nacional, mas, muitas vezes, por não ter acesso àquilo que gosta. "Dependendo em qual local ele reside, fica restrito a somente um tipo de gênero e que, por ocasiões, não é algo nosso, mas estrangeiro. Até mesmo no The Voice vemos que quem se apresenta ali tem sua voz plastificada, com muitas influências que não são nossas", argumenta Simone. 
Xaxados e Perdidos vai além da superfície, promovendo uma reflexão sobre o Brasil pelo viés da ética. "É a partir da educação que isso é possível. Ela é uma plataforma de transformação, de deixarmos de ser quem somos e sermos capazes de ver o mundo de uma diferente maneira", observa a artista.
Certas mudanças só são possíveis por meio da música e da arte. Um exemplo disso será a presença, no espetáculo de hoje, de Daniela Luz, professora que, a partir de ações em uma comunidade, criou uma orquestra. A educação pública também é defendida por Simone - todos os participantes do show de hoje, incluindo as participações especiais Daniela, Yago Lima, Madalena Rasslan e Canoas Coletivo de Dança, tiveram sua formação pelo ensino público.
Mesmo 10 anos depois, com diferenças no Brasil de ontem e de hoje, o objetivo de Xaxados e Perdidos segue idêntico. "Faz parte do papel político do artista, e foi assim que o Xaxados nasceu e segue existindo: ele tem de ser capaz de dizer algo, ter uma voz", explica Simone.
Desse modo, segundo ela, as canções recebem novos significados conforme o momento. "Não podemos ignorar a realidade ao qual estamos inseridos, somos corpos deste tempo, e as letras recebem novas visões." O que se mantém, para Simone, é a arte como transformação, que é capaz de proporcionar felicidade e esperança. "Reafirmamos nosso amor pela MPB", finaliza.
Comentários CORRIGIR TEXTO