Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

artes cênicas

- Publicada em 03h24min, 22/08/2019. Atualizada em 08h18min, 22/08/2019.

Espetáculo F.R.A.M.E.S abre espaço para novo coletivo de atores

Montagem estreia nesta sexta-feira com sessões na Galeria La Photo, em Porto Alegre

Montagem estreia nesta sexta-feira com sessões na Galeria La Photo, em Porto Alegre


REGINA PEDUZZI PROTSKOF/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
Espetáculo escrito pelo dramaturgo e roteirista Diones Camargo, F.R.A.M.E.S. é a primeira peça da Fábrica de Experiências Cênicas. A direção é de Carlos Ramiro Fensterseifer, e a montagem estreia com sessões na Galeria La Photo (Travessa da Paz, 44) nas sextas-feiras e nos sábados, às 21h, e aos domingos, às 20h, com entrada a R$ 50,00. A temporada segue até 8 de setembro.
Espetáculo escrito pelo dramaturgo e roteirista Diones Camargo, F.R.A.M.E.S. é a primeira peça da Fábrica de Experiências Cênicas. A direção é de Carlos Ramiro Fensterseifer, e a montagem estreia com sessões na Galeria La Photo (Travessa da Paz, 44) nas sextas-feiras e nos sábados, às 21h, e aos domingos, às 20h, com entrada a R$ 50,00. A temporada segue até 8 de setembro.
O texto surgiu em 2014, durante a Janela de Dramaturgia em Belo Horizonte, encontro em que Camargo reuniu fragmentos e escritos de outros textos. Dois anos depois, o autor escolheu uma das versões finais e encaminhou a Fensterseifer. O diretor realizou poucas alterações - uma delas foi a redução de 20 para 13 personagens. "Atualmente, os editais estão pequenos, com pouca verba. É difícil encaixar peças com grandes elencos", afirma Fensterseifer.
Tendo experiência como diretor em obras como DentroFora e Movimentos sobre rodas paradas, da Cia. In.Co.Mo.De-Te, Fensterseifer montou a Fábrica de Experiências Cênicas quando retornou para Porto Alegre após um tempo em São Paulo.
A Fábrica também se constitui como um coletivo de atores, atrizes, diretores, diretoras, dramaturgos e dramaturgas oriundos de cursos de formação ou com experiências profissionais comprovadas. Ali, um projeto é montado, e o grupo é preparado para determinada obra, sendo um processo coletivo de produção do espetáculo.
"O objetivo não é oferecer formação, pois as escolas já realizam bem essa etapa. Aqui, damos oportunidade no mercado e pretendemos que cada um aprenda um pouco de empreendedorismo, para produzir seu próprio trabalho e fazer espetáculo com pouco dinheiro", argumenta Fensterseifer.
O coletivo também se configura como um espaço de experimentação - envolve elementos de cinema, delírio e criatividade. "Realizávamos, aos domingos, sessões de cinema. Vimos obras de nomes como Lynch e Charlie Kaufman. Também assistimos A noite americana, de François Truffaut. A peça apresenta uma grande proximidade com o universo do Kaufman", relata o diretor.
A proximidade de elementos do cinema faz com que F.R.A.M.E.S. abra espaço para a metalinguagem e outras referências da sétima arte. "Existem referências aos cinemas francês e do Almodóvar, entre outros", comenta o diretor. O lado cotidiano também está presente, ainda que de uma forma fantasiosa e que seja algo de ambiente. "A realidade é cinematográfica, o escritor não é capaz de sair desta visão."
É interessante observar que a história contada pela peça não é clara, assim como é o pensamento criativo quando estamos formulando algo. Ele passa a se tornar mais preciso quando se trabalha mais a ideia. Como o escritor está em crise, a história espelha esta imagem dele. "Por este motivo de ficar mais nebuloso, a obra dá uma autonomia para cada diretor definir uma forma distinta de abordá-la", explica Fensterseifer.
A crise de vida é uma tônica constante na peça, com cada um dos personagens tendo de lidar com a sua própria. Existe uma garçonete que sonha em ser uma atriz e sempre acredita que tudo vai dar certo; o escritor que luta para superar seu bloqueio criativo; sua mulher, que tem de lidar com o marido que passa a noite em claro em função do trabalho. "Estes elementos tornam F.R.A.M.E.S. uma dimensão realista, mas que a mente, tanto do escritor como do público, leva para outros lugares", aponta o diretor.
E é com a criatividade que o diretor defende que devemos estar abertos para experiências. Ele contextualiza trazendo a questão sobre a dificuldade deste processo, pois lidar com o criativo é algo que demanda profundidade e lida com o emocional. "É uma etapa angustiante e solitária. Esse é um sentimento que sentimos com o texto do Diones (Camargo), que abre espaço para exploramos."
Comentários CORRIGIR TEXTO