Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Edição impressa de 05/07/2019. Alterada em 05/07 às 03h00min

'A árvore dos frutos selvagens' estreia nos cinemas

Longa-metragem é dirigido pelo turco Nuri Bilge Ceylan

Longa-metragem é dirigido pelo turco Nuri Bilge Ceylan


FÊNIX - MOSTRA/DIVULGAÇÃO/JC
Religião, filosofia, política e dilemas morais são os grandes temas de A árvore dos frutos selvagens, novo longa-metragem do diretor turco Nuri Bilge Ceylan, que entrou em cartaz nesta semana na sala 2 do Guion Center. A narrativa segue a história de Sinan, um aspirante a escritor que, após a formatura em uma universidade, retorna à sua aldeia natal com a expectativa de juntar dinheiro para publicar o seu primeiro livro. A partir dos conflitos de gerações, tradições e visões de mundo, o longa propõe uma reflexão sobre o papel da arte e do aprendizado na sociedade contemporânea.
Religião, filosofia, política e dilemas morais são os grandes temas de A árvore dos frutos selvagens, novo longa-metragem do diretor turco Nuri Bilge Ceylan, que entrou em cartaz nesta semana na sala 2 do Guion Center. A narrativa segue a história de Sinan, um aspirante a escritor que, após a formatura em uma universidade, retorna à sua aldeia natal com a expectativa de juntar dinheiro para publicar o seu primeiro livro. A partir dos conflitos de gerações, tradições e visões de mundo, o longa propõe uma reflexão sobre o papel da arte e do aprendizado na sociedade contemporânea.
A árvore dos frutos selvagens é o oitavo filme de Ceylan, que estreou no cinema com o curta Koza (1995), primeiro filme turco a participar do festival de Cannes. O cineasta é um favorito da tradicional mostra francesa, tendo conquistado prêmios como a Palma de Ouro de melhor diretor em 2008, com Três macacos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia