Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Edição impressa de 03/07/2019. Alterada em 03/07 às 03h00min

Peter Parker enfrenta novos vilões em 'Homem-Aranha: longe de casa'

Em novo longa da Marvel, super-herói tem que lidar com novos desafios no Velho Continente

Em novo longa da Marvel, super-herói tem que lidar com novos desafios no Velho Continente


SONY PICTURES/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
Homem-Aranha: longe de casa encerra uma etapa e dá início a uma nova dimensão ao Universo Cinematográfico Marvel (UCM). Na nova aventura do cabeça de teia, ele agora encontra-se fora de Nova Iorque e distante da vizinhança do Queens - segue rumo à Europa.
Homem-Aranha: longe de casa encerra uma etapa e dá início a uma nova dimensão ao Universo Cinematográfico Marvel (UCM). Na nova aventura do cabeça de teia, ele agora encontra-se fora de Nova Iorque e distante da vizinhança do Queens - segue rumo à Europa.
Após os acontecimentos de Vingadores: ultimato - ao qual o filme lembra de uma forma bem-humorada -, Peter Parker/Homem-Aranha (Tom Holland) tem de lidar com um mundo afetado pelas consequências causadas por Thanos e combatidas pelos Vingadores. Se sentindo sobrecarregado e com vontade de aproveitar seu período como um adolescente normal, Parker faz uma viagem de ciências com sua turma para o Velho Continente.
Lá, ele conhece Quentin Beck, um novo super-herói que está combatendo criaturas chamadas de Elementais, que têm seu poder baseado nos elementos fogo, terra, água e ar. Interpretado por Jake Gyllenhaal, Beck é um ótimo novo integrante do universo Marvel, que apresenta uma dinâmica interessante com o Aranha de Holland, com ambos se ajudando para derrotar esses seres. O que também ajuda o novo personagem é o fato de Gyllenhaal interpretá-lo. Indicado ao Oscar por O segredo de Brokeback Mountain, o ator não tem uma carreira marcada por blockbusters, se notabilizando por produções pequenas.
O problema para Parker é que ele quer apenas curtir a viagem e contar para MJ (Zendaya) o que sente por ela, sem ter de se preocupar com suas funções de herói. Ele ainda é seguido e sofre com uma constante pressão de Nick Fury (Samuel L. Jackson) para que assuma o papel ao qual Tony Stark acredita que ele é capaz.
Contar mais do que isso da história estragaria as surpresas. Para os aficionados pelo universo da Marvel, Longe de casa é uma boa continuação para a história de Parke e que abre novos parâmetros para a abordagem do Homem-Aranha, agora mais responsável pelos seus atos como uma das principais figuras dos Vingadores. A narrativa também apresenta paralelos com outros longas do UCM, criando novos desafios para o cabeça de teia lidar.
Deixando Nova Iorque - o cenário clássico do Homem-Aranha - para trás, a Europa serve bem para a história e oportunidade de explorar a relação de Parker fora do traje de herói, vivendo como um adolescente. A interpretação de Holland mais uma vez funciona. Ele é um ator que consegue demonstrar emoção apenas com seu olhar, mostrando que foi uma escolha mais do que acertada para viver o "teioso", e com potencial para se tornar o principal líder dos Vingadores. Mais uma vez, é na relação com o melhor amigo Ned, vivido por Jacob Batalon, que o diretor Jon Watts, também responsável por Homem-Aranha: de volta ao lar, encontra a melhor forma de tornar o filme divertido.
Na questão do romance, Zendaya confere uma característica de inteligência e estranheza para MJ que torna seu relacionamento com Parker esquisito e complicado, ocasionando momentos de humor até constrangedor para os envolvidos. Outros retornos de elenco são os de Maria Hill (Cobie Smulders), Marisa Tomei, novamente como a tia May, e Jon Favreau como Happy Hogan, estes que, agora, apresentam uma dinâmica que entra em atrito com os interesses do protagonista.
Com as locações europeias como principal cenário do longa, Watts soube explorar bem as possibilidades para criar sequências de ação interessantes e que representam uma dificuldade para o Aranha. Como destaque, as batalhas em Londres e, especialmente, em Berlim, são filmadas de uma forma que envolve o espectador, o mantendo com os olhos presos na tela.
Longe de casa é aventura divertida e bem desenvolvida, que oferece diversas surpresas que agradaram principalmente os fanáticos pelo Homem-Aranha. O futuro para o "teioso" tem todas as ferramentas para expandir ainda mais o personagem e elevá-lo para a grandeza de importância que Homem de Ferro e Capitão América ganharam no UCM.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia