Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes visuais

Edição impressa de 16/05/2019. Alterada em 16/05 às 03h00min

Quarta edição da Noite dos Museus acontece neste sábado na Capital

Margs é um dos 14 espaços que fazem parte da programação do evento em 2019

Margs é um dos 14 espaços que fazem parte da programação do evento em 2019


FELIPE FRAGA/DIVULGAÇÃO/JC
Quatro anos de milagre. É assim que o idealizador Rodrigo Nascimento define a trajetória da Noite dos Museus até aqui. A quarta edição do projeto acontece no sábado, em 14 espaços culturais de Porto Alegre. As primeiras atrações se iniciam às 19h15min, chegando à 1h da madrugada. A entrada em todos os locais é gratuita.
A luta pela realização do evento anual é constante. Nascimento relata que a Noite dos Museus ocupa seu pensamento ao longo dos 12 meses. Para 2019, o Museu da Brigada (Andradas, 498) e o Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Andradas, 1.223) foram adicionados na programação, possibilitando mais atividades.
Programação, esta, que sofreu alterações, contemplando agora mais vertentes artísticas. "Diversificar as linguagens é importante. Literatura e dança recebem mais destaque agora, não sendo tão focado na música", afirma o idealizador. A literatura entrará na Noite dos Museus representada pelo Especial Slam Peleia, uma edição do campeonato de poesia falada criado para o projeto. "Espetáculos de rua recebem espaço nos ambientes internos, algo que contrasta os públicos." Esta atitude, acredita Nascimento, ajuda na formação de plateia que consumirá arte na cidade.
A dança ganhará espaço no evento em três montagens. O espetáculo Tóin: Dança para bebês, da Muovere Cia de Dança, será no Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo (João Alfredo, 582), às 19h15min, focado no público da primeira infância e seus pais. No mesmo horário, a montagem Manchas urbanas circulará pelas ruas do Centro após a apresentação na Pinacoteca Ruben Berta (Duque de Caxias, 973). Por fim, uma performance da Geda Cia de Dança, criada especialmente para ser apresentada no Museu Julio de Castilhos (Duque de Caxias, 1.205) durante o evento, às 23h45min.
Ampliar os campos artísticos auxilia na intenção de Nascimento de aumentar a importância da Noite dos Museus no cenário da Capital. Para isso, a programação foi idealizada pelo gestor cultural Bruno Assami e pelo jornalista Roger Lerina. "O Bruno trouxe um conhecimento de fora para nós, com a experiência de realizar diversos eventos no mercado de São Paulo, enquanto o Roger pode oferecer uma visão do que melhor funciona em Porto Alegre", argumenta. Assim, a programação contempla artistas locais consagrados e outros em ascensão.
A busca por esta inovação é o que o idealizador enxerga como essencial. A conversa é fundamental para que se saia do campo teórico e possa abordar temas que abranjam as diferentes áreas da arte. "As pessoas precisam estar cientes das políticas públicas de arte, conhecer a realidade dos museus e não postar no Facebook o seu luto apenas quando uma tragédia como a do Museu Nacional acontece", contesta o idealizador.
Para a edição deste ano, foram captados R$ 200 mil da Lei de Incentivo Fiscal, com os patrocínios do Banrisul e da Sulgás. Mesmo com este financiamento, Nascimento destaca que seriam necessários R$ 600 mil para a realização do evento. "Graças a Deus, temos voluntários. É uma operação complexa, demanda uma organização que é inimaginável para quem não está envolvido no processo. A Brigada Militar está envolvida, são 14 espaços culturais com a Linha Turismo circulando por esses locais. Ainda precisamos de ao menos quatro seguranças e um produtor para cada local; multiplique isso 14 vezes", comenta.
Mesmo com essas dificuldades, a edição para 2020 está garantida. Nascimento conta que, às vezes, não percebe o impacto que o evento gera. "Andar pela Praça da Alfândega é mágico, ver a alegria das pessoas circulando, redescobrindo sua própria cidade de diferentes formas. É uma nova perspectiva que buscamos passar, de não distinguir arte e torná-la acessível. Acho que estamos conseguindo", completa.

Centros culturais participantes

  • Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Andradas, 1.223)
  • Fundação Iberê Camargo (Padre Cacique, 2.000)
  • Instituto Goethe (24 de Outubro, 112)
  • Memorial do Rio Grande do Sul (Sete de Setembro, 1.020)
  • Museu da Brigada Militar (Andradas, 498)
  • Museu de Arte Contemporânea - Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736)
  • Museu de Arte do Rio Grande do Sul - Margs (Praça da Alfândega, s/nº)
  • Museu de Comunicação Hipólito José da Costa (Andradas, 959)
  • Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo (João Alfredo, 582)
  • Museu do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Independência, 75)
  • Museu Julio de Castilhos (Duque de Caxias, 1.205)
  • Museu da Ufrgs (Osvaldo Aranha, 277)
  • Pinacoteca Ruben Berta (Duque de Caxias, 973)
  • Planetário da Ufrgs Professor José Baptista Pereira (Ipiranga, 2.000)
  • Praça da Alfândega (Centro): em caso de chuva, atrações vão para dentro dos museus
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia