Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Música

Edição impressa de 14/01/2019. Alterada em 13/01 às 22h01min

Pelotas vira a capital internacional da música por 12 dias

Festival Internacional Sesc de Música começa hoje em Pelotas e segue até 25 de janeiro

Festival Internacional Sesc de Música começa hoje em Pelotas e segue até 25 de janeiro


FLAVIO NEVES/DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
Pela nona vez consecutiva, Pelotas recebe uma programação musical intensa logo no começo do ano. Já firmado no calendário cultural da cidade e do Estado, o Festival Internacional Sesc de Música tem abertura hoje, com concerto da Sphaera Mundi Orquestra no Theatro Guarany (Lobo da Costa, 489). Ao todo, serão 12 dias de atividades e uma agenda que contempla 60 espetáculos gratuitos, uma série de cursos e participação de 500 profissionais da música, incluindo professores de 14 nacionalidades.
Como um carros-chefes, o evento conta com as ações conhecidas como Festivais na Comunidade. São cerca de 20 espetáculos em espaços que vão além das salas de concerto e centros culturais, chegando a hospitais, asilos, igrejas, praia e zona rural. A agenda pode ser acessada pelo site www.sesc-rs.com.br/festival
Conforme Silvio Bento, gerente de Cultura do Sesc-RS, desta maneira as ações chegam a diferentes esferas da população da cidade - e a visitantes. "Temos ações no interior de Pelotas, e a recepção é sensacional. No Laranjal vai haver concerto da Banda Sinfônica, choro com o Sexteto de Gaúcho e a Orquestra de Câmara da Unisinos com jazz em concerto. Repertório variado, para todos os públicos", exemplifica.
A diversidade musical também é um dos destaques, apesar do enfoque educacional para música de concerto. "Trazemos música instrumental também. Na segunda noite, vai haver um espetáculo de tango, com participação do bandoneonista argentino Carlos Buono", completa Evandro Matté, diretor artístico do festival. "Cerca de 70% ou 80% da programação gira em torno da música de concerto, mas procuramos também trazer música de instrumental, sempre que possível com orquestra junto", destaca.
A lista de atividades do primeiro dia inclui um cortejo musical. A partir das 18h, músicos percorrem as vias da cidade, partindo do Mercado Público e passando pelo calçadão das ruas Andrade Neves, Sete de Setembro e XV de novembro. Em seguida, às 20h30min, ocorre o concerto de abertura, uma das apresentações selecionadas para transmissão on-line. Encarregada por começar os trabalhos oficialmente, a Sphaera Mundi Orquestra é uma formação porto-alegrense, incluindo membros da Ospa, com cerca de dois anos de atuação. O repertório é dedicado à música antiga e barroca, e aos instrumentistas do grupo, soma-se a violinista argentina Lucia Luque como solista.
Para as apresentações no Theatro Guarany, é necessário retirar ingressos de forma antecipada. A organização sugere a doação de 1kg de alimento não perecível, e cada interessado tem direito a um par de ingressos por apresentação. As entradas ficam disponíveis na bilheteria do teatro, de segundas a sextas-feiras, das 9h às 12h e 13h30min às 18h30min. Há, no entanto, uma ressalva: já há datas esgotadas, e ingressos para atividades nos últimos dias do evento só serão distribuídos a partir do dia 17. O cronograma também pode ser acessado pelo site.
Já na parte de cursos, a novidade da edição de 2019 é a implementação de choro nas grades, devido à alta demanda. Em 2018, o gênero era contemplado como uma oficina de curta duração. Neste ano, ganha um curso de duração integral, com o objetivo de proporcionar mais horas para o aprendizado de instrumentos como violão, acordeon, bandolim, cavaquinho, sopros e percussão. O festival ainda contempla cursos de violino, flauta, oboé, clarinete, violão clássico, piano e canto lírico, entre outras modalidades. As inscrições já estão encerradas.
Os alunos foram selecionados pelo seu currículo e desempenho - em poucos dias, eles se apresentarão como parte das atrações do festival. "O nível técnico tem subido a cada ano, o processo seletivo está cada vez mais difícil", afirma Matté, citando que também há uma cota de vagas reservadas para projetos locais parceiros do festival.
Pela primeira vez, o evento também promove um encontro nacional de orquestras jovens. Participam representantes de Pelotas e dos estados de Minas Gerais, Piauí e Sergipe, formadas por crianças e adolescentes entre 10 e 18 anos que integram iniciativas sociais do Sesc e de instituições públicas. Os jovens músicos vão se apresentar em locais como a Catedral do Redentor ao longo da programação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia