Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Fotografia

Edição impressa de 09/01/2019. Alterada em 09/01 às 08h18min

Exposição 'Adulteradas', de Nilton Santolin, exibe imagens de Porto Alegre

Exposição Adulteradas, de Nilton Santolin, exibe imagens de Porto Alegre

Exposição Adulteradas, de Nilton Santolin, exibe imagens de Porto Alegre


NILTON SANTOLIN/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
Observar e desconstruir para criar novos significados. Com Adulteradas, Nilton Santolin apresenta um trabalho com imagens de Porto Alegre que desafiam o espectador a decifrar qual local foi fotografado. A exposição, gratuita, entra em cartaz amanhã, na Galeria Oscar Boeira do Margs (Praça da Alfândega, s/nº), às 19h, e segue até 10 de março no local.
Por volta de 2001, Santolin começou as suas manipulações digitais na Escola de Criação da ESPM. Lá, utilizou em seus trabalhos recursos de edição por software que não só ofereciam ferramentas incríveis aos fotógrafos, mas à área publicitária como um todo. Atualmente, o foco de Santolin reside nos elementos arquitetônicos, área que lhe desperta curiosidade nos mais mundanos objetos.
A inspiração, para ele, é capaz de nascer de qualquer elemento. "A observação da cidade é algo que nos revela muita mais do que imaginamos", conta. Observador atento, Santolin gosta de fotografar o cotidiano da vida na metrópole, bem como os prédios que nos rodeiam. A partir disso, ele captura a imagem e inicia um processo de desconstrução da mensagem inicial que a fotografia transmite.
Santolin cita, por exemplo, a imagem de uma saída de ar amarela em uma parede vermelha (acima). Ao bater o olho sobre o objeto, resolveu registrar. "Depois, me deparei com a imagem e achei que se assemelhava com um oriental que estava com macarrão saindo pelo nariz", brinca o artista. 
Com um software para celulares Android, ele trabalha as fotos originais e as submete a efeitos de duplicação, espelhamento, além de quadruplicá-las. Para o artista, essas distorções são adulterações - resultando em imagens diferentes e instigantes, que nos fazem viajar num mundo arquitetônico único. "Porto Alegre é uma cidade tão bonita, que apresenta uma música única. É possível viajarmos pelo mundo aqui mesmo: basta observarmos", defende Santolin.
Tirando proveito do avanço tecnológico ao utilizar um app para smartphones, o fotógrafo não se opõe ao uso das câmeras de celulares para fotografias profissionais. Ele acredita que pouco importa qual o material que será utilizado, sendo o elemento do processo fotográfico mais importante aquele quem irá manusear o equipamento. "Mesmo com a máquina mais avançada, alguém leigo não será capaz de registrar algo diferente do usual", afirma.
Para que um fotógrafo se destaque, Santolin argumenta que é necessária uma base referencial e teórica vasta, algo que ocorre com tempo e dedicação para a fotografia. "Eu estou em constante aprendizado, sempre buscando novas formas de inspiração para o meu trabalho, afinal, não sou um expert."
Em Adulteradas, exposição que apresenta 19 fotografias impressas digitalmente em adesivo vinil, sarja sintética e papel fotográfico, Santolin apresenta imagens de Porto Alegre capturadas entre 2007 e 2018 - todas feitas com câmeras fotográficas e celular em 45 graus. Após o registro, as fotos são trabalhadas em um software para celulares, com tamanhos de exibição que variam de 60 x 60 cm, até imagens maiores, que ficam entre um e três metros.
A ideia do trabalho, conforme revela Santolin, é realizar uma releitura das imagens de forma provocativa, incentivando o público a sentir-se desafiado em identificar quais são os locais da cidade fotografados, sendo uma forma de arte que busca engajar. "A criação de mundo pelas fotografias nos propicia uma viagem de possibilidades pela imaginação", completa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia