Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Cinema

02/12/2018 - 14h46min. Alterada em 03/12 às 01h57min

Em Bagé, Festival da Fronteira destaca o fazer audiovisual

Zoravia Bettiol foi homenageada na edição do festival de cinema e é celebrada em filme

Zoravia Bettiol foi homenageada na edição do festival de cinema e é celebrada em filme


ANA PAULA RIBEIRO/DIVULGAÇÃO/JC
Caroline da Silva, de Bagé
O 10º evento internacional de Cinema da Fronteira, realizado de forma ininterrupta desde 2009 em Bagé, segue neste domingo (2) com duas exibições de longas inéditos fora de competição: Rebento, de André Morais, e Zoravia, de Henrique de Freitas Lima, sobre a artista plástica homenageada nesta edição.
A mostra competitiva teve premiação na noite desse sábado (1), seguida de show com a cantora gaúcha Adriana Deffenti, que, acompanhada do pianista Leonardo Bittencourt, apresentou o espetáculo intimista Elis & Tom. A atração foi muito aplaudida, especialmente pelos visitantes da Fronteira.
Uma ode à lusofonia, o vencedor entre os longas foi o português O labirinto da saudade, de Miguel Gonçalves Mendes, com estreia nesta quinta-feira (6) nos cinemas, o gaúcho Rasga coração, de Jorge Furtado, foi o preferido do júri popular.
Homenagem ao cinema brasileiro, com intenso esforço de resgate audiovisual, Humberto Mauro foi destacado com Menção Honrosa. O realizador, ator e professor André Di Mauro foi em busca da obra de seu tio-avô, ícone da produção nacional. O título segue intenso roteiro de festivais pelo mundo e deve estrear perto de 30 de abril – dia em que o cineasta nasceu em 1897. Coprodução do Canal Brasil, o documentário entra na programação da TV em 2020.
No alto de seus ativos 83 anos, a artista porto-alegrense Zoravia Bettiol foi muito celebrada pelos bageenses, teve bela inauguração de mostra de sua obra no Museu da Gravura Brasileira, na cidade, e emocionou com sua fala os presentes na cerimônia de encerramento em que recebeu o Troféu São Sebastião, assinado por Sérgio Coirolo. A homenageada destacou a visão artística de Zeca Brito, idealizador do evento, e o elogiou pela resiliência de manter o festival de pé.
Os realizadores que estiverem presentes na Fronteira foram enfáticos ao demonstrar suas preocupações com a promoção de atividades culturais nos próximos anos, evidenciando suas posições políticas e destacando um caráter de resistência do festival. A argentina Paula Markovitch (premiada em melhor direção pelo longa Cuadros en la oscuridad), com filmes sobre ditadura (seu pai foi foragido do regime), tendo os olhos no Brasil, alertou para os perigos dos regimes autoritários.
O escritor, crítico, roteirista, ator e realizador Jean-Claude Bernardet, que foi várias vezes a Bagé, afirmou que o perfil de resistência cultural e enfrentamento político do evento na Fronteira pode se tornar uma linha de trabalho, não apenas uma característica, mas apontar uma perspectiva de atuação.
Neste ano, o festival deu um passo maior, neste ano, rumo à internacionalização, com a integração das cidades de Santana do Livramento e Rivera como sedes das sessões – o que deve se intensificar em uma nova edição.
Impulsionado por um edital do MinC que exige contrapartidas, haverá em março próximo em Porto Alegre uma Plataforma de Negócios e demais oficinas – referentes ainda à edição de 2018. O diretor do evento, Zeca Brito, garantiu que, mesmo com dificuldades financeiras, o festival de 2019 vai ocorrer, havendo a intenção de antecipá-lo para o primeiro semestre do ano.

Veja a lista de vencedores do 10º Festival da Fronteira

Mostra Internacional de Longas
Melhor Filme: O Labirinto da Saudade, de Miguel Gonçalves Mendes (Portugal)
Melhor Diretor: Paula Markovitch, por Cuadros en la Oscuridad (Argentina)
Menção Honrosa: Humberto Mauro, de André di Mauro (RJ/Brasil)
Melhor Ator: Alvin Astorga e Maico Pradal, por Cuadros en la Oscuridad (Argentina)
Melhor Atriz: Natália Molina, por Meio irmão (SP/Brasil)
Júri Popular: Rasga Coração, de Jorge Furtado (RS/Brasil)
Mostra Internacional de Curtas
Melhor Filme: Inconfissões, de Ana Galizia (RJ/Brasil)
Melhor Direção: Luciano Pérez Fernández, por Boca de Fogo (RJ/Brasil);
1ª Menção Honrosa: A Sombra Interior, de Diego Tafarel (RS/Brasil)
2ª Menção Honrosa: Raquel, de Tania Cattebeke (Paraguai)
Mostra Regional
Melhor Filme: O Fantasma do General, de Humberto Petrarca;
Melhor Ator: Juan Castro, por Despertando para Preservar;
Melhor Atriz: Nilva Jardim, por O Ladrão;
Melhor Direção: Bibiana de Carvalho, por Eremita;
Menção Honrosa: Intraprojeção, de Camila Albrecht Freitas e Takeo Ito
Mostra Universitária Unipampa
Categoria I – Audiovisual
Vídeo Institucional
VT Agricultura Familiar de São Borja, de Larissa Fabiane Thomas;
Universidade Federal do Pampa - Unipampa - Campus São Borja, de Giulia C. Junges;
Vídeo Reportagem Jornalística
Doação de Sangue, de Nádia Martins;
Vídeo Vinheta
Como seria a Vida sem a Unipampa?, de Diogo Ferreira;
Categoria II - Cinema
Ficção
A Cúpula, de Fredericco Restori;
Persona, de Maria Luísa Viana;
Documentário
Unipatas - Meu amigo sem Teto, de Suêldes Kalew Félyx;
Escola Bidart: A Arborização Fazendo a Diferença na Prática Escolar, de Diogo Ferreira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia