Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de outubro de 2018.
Dia Nacional do Idoso e Dia do Vendedor.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

gente

01/10/2018 - 10h14min. Alterada em 01/10 às 10h14min

Charles Aznavour, cantor de números superlativos, morre aos 94 anos

Cantor francês esteve pela última vez em Porto Alegre para show em 2013

Cantor francês esteve pela última vez em Porto Alegre para show em 2013


GILMAR LUÍS/ARQUIVO/JC
Estadão Conteúdo
O cantor francês Charles Aznavour morreu aos 94 anos, informaram nesta segunda-feira (1º) jornais locais na França. Dono de uma carreira com números superlativos, ele compôs mais de mil músicas, gravou mais de 100 álbuns, vendeu 200 milhões de discos e fez mais de 60 filmes.
Chamado de Frank Sinatra da França, o artista de ascendência armênia nasceu numa família de artistas em 22 de maio de 1924. Aos 9 anos, já estava atuando no palco. Chamava-se, então, Shanour Vaginagh Aznavourian. Tinha uma bela voz, mas talvez não se tivesse tornado mito sem a ajuda de uma madrinha.
Na verdade, de uma amante. A lendária Edith Piaf ouviu-o cantar, sentiu-se arrebatada por sua virilidade e o integrou ao seu show, levando-o em turnê pela França, até os EUA.
Rebatizado Charles Aznavour, tornou-se o cantor e compositor do amor. Poliglota, cantou - e compôs - os próprios sucessos em várias línguas. Que c'Est Triste Venise, ou Com'è Triste Venezia, How Sad Venice Can Be. Elle/She. E muitas outras.
Sua amizade com outros artistas rendeu parcerias. Elvis Costello fez uma versão de She para a comédia romântica "Um Lugar Chamado Nothing Hill". Plácido Domingo gravou a versão de Aznavour para Ave Maria. E cantaram com ele Fred Astaire, Bing Crosby, Ray Charles e Liza Minnelli.
Apesar da pequena estatura, 1,60m, era um gigante no palco. O mito ultrapassou-o e, no Japão, como Char Aznable, virou personagem de uma famosa animé de ficção científica, Mobile Suit Guindam. No cinema, fez um pequeno papel em O Testamento de Orfeu, de Jean Cocteau, e estrelou Atirem no Pianista, policial de François Truffaut adaptado do escritor David Goodis, ambos em 1960.
No mesmo ano, A Passagem do Reno, de André Cayatte, venceu o Leão de Ouro em Veneza, derrotando Rocco e Seus Irmãos, de Luchino Visconti. Outros filmes importantes: Thomas l'Imposteur, de Georges Franju; Vidas em Jogo/Folies Bourgeoises, de Claude Chabrol; O Tambor, de Volker Schlondoreff; e Ararat, de Atom Egoyan.
Aznavour foi sempre ligado ao Canadá e à causa de Quebec Livre. Tem a ver com sua origem armênia. Em 1988, quando um grande terremoto destruiu Erevan, criou a Fundação Aznavour para a Armênia. Tornou-se embaixador honorário do país. Recebeu a Legion d'Honneur na França, o título de Herói Honorário da Armêrnia e o MIDEM Lifetime Achievement Award.
Recebeu também o Leão de Ouro honorário em Veneza pela trilha de Morrer de Amor (de André Cayatte), um César (Oscar francês) honorário e o prêmio de carreira do Festival do Cairo. Apresentou-se diversas vezes no Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia