Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Edição impressa de 14/09/2018. Alterada em 14/09 às 01h00min

Os últimos dias de Tancredo Neves são retratados em filme de Sergio Rezende

Othan Bastos protagoniza filme sobre o político, que faleceu antes de assumir a presidência

Othan Bastos protagoniza filme sobre o político, que faleceu antes de assumir a presidência


GLOBO FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
Ânimos políticos inflamados, hospitais, teorias conspiratórias e o Brasil às vésperas de ter um novo presidente. O paciente - O caso Tancredo Neves, novo filme de Sergio Rezende, envolve tudo isso. Sua estreia coincide com um cenário político que tem tudo para ajudar o desempenho do filme nas bilheterias.
O longa-metragem se passa em 1985 e conta com Othon Bastos no papel-título: Tancredo Neves, presidente eleito de forma indireta, está a alguns dias de tomar posse, após um período de 21 anos de ditadura militar. Entretanto, o mineiro adoece e, após muita resistência por parte dele próprio, é internado.
O filme tem como base o livro homônimo, escrito por Luís Mir após uma pesquisa que envolveu, inclusive, acesso a um prontuário guardado em cofre. A adaptação cinematográfica apresenta um tom documental: Sergio Rezende opta por apenas uma câmera para mostrar os bastidores do drama vivido pelos cirurgiões, familiares e colegas de Tancredo.
Thriller médico, o projeto vai alterando a dedicação aos personagens coadjuvantes de acordo com a integração de novos especialistas ao caso. Em comum à atuação de todos eles está a existência de uma pressão política e de uma insegurança social devido à importância do operado - inicialmente com suspeita de apendicite; depois, diverticulite; então, o diagnóstico de um tumor e, por fim, um quadro de infecções.
Em meio a tudo isso, ganha destaque a relação entre os envolvidos na mesa de operações - incluindo disputas de ego, análises apressadas e acusações sobre "salvar o presidente e esquecer do paciente". Apesar do ar realista, com reconstituição de época eficiente, ainda há momentos da narrativa que beiram o surrealismo. Em uma das cenas mais emblemáticas do longa, Tancredo é operado em uma sala hospitalar repleta de políticos. O episódio, entretanto, consta em registros.
Não é spoiler dizer que Tancredo Neves não sobreviveu. Artistas como Paulo Betti, Ester Góes, Emílio Dantas e Otávio Müller completam o elenco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia