Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

06/09/2018 - 12h32min. Alterada em 06/09 às 12h37min

Iphan publica diretrizes para combate a incêndio em bens tombados

A ato sai quatro dias após incêndio que destruiu quase todo o acervo e área interna do Museu Nacional

A ato sai quatro dias após incêndio que destruiu quase todo o acervo e área interna do Museu Nacional


MAURO PIMENTEL /AFP/JC
Estadão Conteúdo
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) editou portaria que traz as diretrizes para a elaboração e análise de Projetos de Prevenção e Combate a Incêndios e Pânico (PPCIP) em edificações tombadas e naquelas inscritas na Lista do Patrimônio Cultural Ferroviário. O ato está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (6), e ocorre dias depois que o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, foi consumido em chamas no último domingo (2).
De acordo a portaria, caberá ao Iphan a análise quanto à preservação da integridade do bem e eventuais recomendações de alternativas às propostas específicas de prevenção e combate ao incêndio e pânico para reanálise do Corpo de Bombeiros. "O PPCIP deverá observar o mínimo de impacto no bem", cita o texto.
A norma orienta a adoção de "medidas complementares mitigadoras", caso não seja possível aplicar soluções que garantam a preservação do bem. Dentre essas medidas, estão: controle de população de acordo com unidades de passagem disponíveis; aplicação de material retardante de chamas; controle de fumaça; sistemas de gases inertes ou chuveiros automáticos; brigada de incêndio; consideração de portas secundárias; sistema de alarme, detecção e combate a incêndio; instalação de hidrantes públicos próximo à edificação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia