Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de setembro de 2018.
Feriado nos EUA - Dia do Trabalho.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

03/09/2018 - 13h46min. Alterada em 03/09 às 13h47min

Temer anuncia financiamento para reconstruir prédio de museu

Presidente contatou bancos privados e empresas públicas, que se comprometeram em ajudar

Presidente contatou bancos privados e empresas públicas, que se comprometeram em ajudar


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
Após o incêndio que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, o governo federal vai anunciar a destinação de recursos de empresas privadas e órgãos públicos para determinar a reconstrução do edifício que abrigava a instituição.
O presidente Michel Temer (MDB) se reuniu nesta segunda-feira (3) com o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, para discutir formas de financiamento da recuperação do prédio.
Um dos mecanismos em estudo é a captação de dinheiro de grandes empresas via Lei Rouanet -que permite o abatimento de impostos para a aplicação em projetos culturais. Ainda não há estimativa de valores para a reconstrução do edifício.
Temer entrou em contato com dirigentes de bancos privados e empresas públicas, que se comprometeram com a proposta. Será anunciada a formação de uma "rede de apoio econômico" que conta com Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil, Caixa, Vale e Petrobras. Também devem ser usados recursos do BNDES, que já havia assinado um contrato de R$ 21,7 milhões com o museu em junho.
Desde o incêndio, o governo Temer tem sido criticado pela falta de recursos para a manutenção do Museu Nacional. O presidente decidiu apresentar uma proposta rápida em resposta ao episódio.
Apesar da proposta de reconstrução do edifício, o principal prejuízo é a destruição do acervo do museu, que tinha 200 anos e é irrecuperável.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia