Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes visuais

21/08/2018 - 15h18min. Alterada em 21/08 às 15h18min

No Rio, Queermuseu derruba classificação proibitiva para 14 anos na Justiça

Exposição foi reaberta no último sábado, com a classificação proibitiva para menores de 14 anos

Exposição foi reaberta no último sábado, com a classificação proibitiva para menores de 14 anos


FREDY VIEIRA/JC
Folhapress
A exposição Queermuseu não terá mais classificação proibitiva para 14 anos, agora será apenas indicativa. Segundo o advogado do Parque Lage, Damien Guedes, o museu venceu uma ação contra a proibição nesta terça (21).
A exposição foi reaberta no último sábado (18) no Parque Lage, no Rio de Janeiro, com a classificação proibitiva para menores de 14 anos. Isso porque, na véspera, a Justiça proibiu o acesso de menores de 14 anos, alegando que a mostra apresenta nudez e conteúdo sexual. A decisão da 1ª Vara da Infância e da Juventude só permitia acesso de jovens de 14 e 15 anos acompanhados dos responsáveis.
"Este juiz fez isso de uma maneira preconceituosa, porque a mostra trata do assunto 'queer'", afirma Guedes que conta, em entrevista à reportagem, que está na frente de 12 outros processos contra a mostra que vão desde inquéritos criminais, civis e até um processo no Ministério da Justiça.
A primeira exibição da mostra, em Porto Alegre, foi suspensa em setembro do ano passado pelo Santander Cultural após pressão de grupos conservadores nas redes sociais. Entre os artistas que compõe a exposição estão Adriana Varejão, Cândido Portinari, Lygia Clark, Yuri Firmesa e Leonilson.
A montagem no Rio foi garantida após crowdfunding, que levantou mais de R$ 1 milhão, e polêmica com o prefeito Marcelo Crivella (PRB), que não permitiu que a mostra fosse levada ao MAR (Museu de Arte do Rio de Janeiro).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia