Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Notícia da edição impressa de 06/11/2020.
Alterada em 06/11 às 03h00min

Joe Biden e o Brasil

Vitória de Biden nos Estados Unidos pode ter impacto positivo no Brasil

Vitória de Biden nos Estados Unidos pode ter impacto positivo no Brasil


JIM WATSON /AFP/JC
Na opinião do deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT), "a muito provável vitória de Joe Biden (no fechamento da coluna, não tínhamos o resultado oficial ainda) vai ser muito positiva para o Brasil, porque é positiva para o mundo, no sentido de que o ambiente pró-democracia, pró-diálogo e de respeito às diferenças vai crescer no mundo".
Na opinião do deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT), "a muito provável vitória de Joe Biden (no fechamento da coluna, não tínhamos o resultado oficial ainda) vai ser muito positiva para o Brasil, porque é positiva para o mundo, no sentido de que o ambiente pró-democracia, pró-diálogo e de respeito às diferenças vai crescer no mundo".

Subalternidade do Brasil

Para o congressista gaúcho, "logicamente a diplomacia partidarizada do governo Bolsonaro, uma diplomacia de subalternidade do Brasil, ela perde muito com esse resultado eleitoral".

Vitória civilizatória

Para Fontana, "a vitória de Joe Biden é uma vitória civilizatória, independentemente do conjunto de ideias, de mais para lá, ou mais para cá; Biden representa uma vitória civilizatória". O congressista afirmou que "o mundo todo está com a democracia sob ataque. Os mecanismos que a extrema direita utilizou para chegar ao poder nos Estados Unidos, com Trump; no Brasil, com Bolsonaro; na Hungria, com Viktor Mihály Orbán, e tantos outros precisam ser derrotados para que se salve a democracia".

Análise de Rubens Ricupero

Rubens Ricupero, ex-ministro do Meio Ambiente e ex-ministro da Fazenda, que já foi embaixador do Brasil nos Estados Unidos, fez uma análise das eleições norte-americanas e das consequências para o Brasil e o mundo.

Muito inquietante

"Muito inquietante, porque está se confirmando o cenário mais grave numa eleição extremamente dividida: um dos contendores, sobretudo, aquele que tem o controle, hoje, do governo, claramente inconformado e decidido a contestar isso por via judicial", disse Ricupero em entrevista. Para o ex-embaixador, "é claro que vai prolongar muito a incerteza, inclusive porque ele está entrando com várias ações judiciais, algumas para paralisar a contagem dos votos, e prolongará essa angústia".

Ânimos emotivos

"Com isso, se multiplicam as manifestações nos Estados Unidos, até agora, felizmente, pacíficas", afirmou Ricupero. "Os ânimos estão se tornando cada vez mais emotivos, devido a essa incerteza." Não é bom, segundo o ex-embaixador brasileiro em Washington, "porque talvez a principal lição dessa eleição seja o contrário do que se esperava, ela se parece muito com a anterior, de 2016. As pesquisas se equivocaram, mais uma vez, todos, inclusive a mídia, subestimou a força do presidente Trump, que revelou uma capacidade de resistência impressionante".
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.