Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 26 de agosto de 2020.
Notícia da edição impressa de 26/08/2020.
Alterada em 26/08 às 03h00min

Violência contra crianças

Proposta da deputada Rosângela Gomes permite criminalizar quem se omitir em casos de violência contra crianças e adolescentes

Proposta da deputada Rosângela Gomes permite criminalizar quem se omitir em casos de violência contra crianças e adolescentes


MICHEL JESUS/CÂMARA DOS DEPUTADOS/DIVULGAÇÃO/JC
A Câmara dos Deputados deverá votar, nos próximos dias, a proposta da deputada Rosângela Gomes (REP-RJ), que permite seja criminalizado quem se omitir, em casos de violência contra crianças e adolescente, e não fizer a denúncia. O PL 4749/16, que está pronto para ser pautado em plenário, criminaliza parentes, médicos e professores pela omissão em denunciar casos de violência contra crianças e adolescentes, e inclui também a omissão nas mesmas penas previstas para maus tratos.
A Câmara dos Deputados deverá votar, nos próximos dias, a proposta da deputada Rosângela Gomes (REP-RJ), que permite seja criminalizado quem se omitir, em casos de violência contra crianças e adolescente, e não fizer a denúncia. O PL 4749/16, que está pronto para ser pautado em plenário, criminaliza parentes, médicos e professores pela omissão em denunciar casos de violência contra crianças e adolescentes, e inclui também a omissão nas mesmas penas previstas para maus tratos.

Crime de maus tratos

Atualmente o Código Penal prevê no artigo 136 penas para quem cometer maus-tratos contra crianças e adolescentes, que variam de detenção de dois meses a um ano até reclusão por 12 anos. O artigo prevê também um aumento em 50% da pena se a vítima for menor de 14 anos, e se o crime for cometido no ambiente familiar, instituição religiosa, de saúde, de ensino, de assistência social ou recreativa, sejam elas públicas ou privadas. Para a parlamenta, o projeto se faz extremamente necessário, principalmente agora em que as vítimas, as crianças e os adolescentes, estão convivendo ainda mais dentro dos lares com seus agressores. No caso das empresas onde ocorrerem esses atos, elas poderão ser criminalizadas penalmente com a suspensão de suas atividades. Já o agressor será afastado de suas funções na instituição.

Projeto bem-vindo

Para o deputado federal gaúcho Ronaldo Santini (PTB), co-autor de projeto de lei protocolado na Câmara dos Deputados, esta semana, que tira o crime de feminicídio, da qualificadora do crime de homicídio e passa a ser crime independente, individual, toda a ação que vier aprimorar a legislação e, de ordem muito severa, ajudar a coibir esse tipo de situação, é muito bem vinda no nosso ordenamento jurídico. Por isso, defende a proposta da deputada carioca Rosangela Gomes.

Crime bárbaro

Já proposta do parlamentar gaúcho, "a mudança de feminicídio para crime individual, o tornará crime autônomo, e com isso haverá possibilidade de tratá-lo com o rigor necessário e equipará-lo ao crime bárbaro", assinalou o congressista.

Problemas na fala

O deputado federal gaúcho Pedro Westphalen (PP) apresentou projeto que institui o mês de Outubro como Mês de Conscientização da Comunicação Alternativa. De acordo com o texto, durante esse mês, em cada ano, devem ser promovidas palestras, seminários e atividades educativas com o objetivo de facilitar o acesso público a informações sobre a comunicação lternativa. Dentro dessas propostas estão meios de inclusão para indivíduos sem fala, escrita funcional ou com prejuízos em sua comunicação ou capacidade de falar ou escrever.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.