Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 02/04/2020.
Alterada em 01/04 às 21h48min

Tendência de protecionismo

Ex-embaixador do Brasil em Washington e presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior, Rubens Barbosa (foto) prevê que, após o coronavírus, haverá um equilíbrio de forças entre os países. Acredita que "depois que passar essa tempestade que está assolando o mundo inteiro, os países vão mudar". Segundo o diplomata, "esse coronavírus, essa pandemia que estamos sofrendo, se assemelha muito a grandes acontecimentos que tiveram um papel muito importante na história da humanidade". 
Ex-embaixador do Brasil em Washington e presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior, Rubens Barbosa (foto) prevê que, após o coronavírus, haverá um equilíbrio de forças entre os países. Acredita que "depois que passar essa tempestade que está assolando o mundo inteiro, os países vão mudar". Segundo o diplomata, "esse coronavírus, essa pandemia que estamos sofrendo, se assemelha muito a grandes acontecimentos que tiveram um papel muito importante na história da humanidade". 

Acontecimentos da história

Barbosa citou os exemplos da "Revolução Industrial, as grandes guerras e as crises financeiras de 1929 e 2008, que tiveram impacto sobre todos os países, sobre a relação entre os países. E isso vai acontecer, na minha visão, depois que superarmos essa crise, e isso agora ocorre por vários fatores, o principal deles, eu acho, é o peso da China no mundo em que nós vivemos".

Equilíbrio de forças

Deve acontecer um equilíbrio de forças entre os países, comentou Barbosa, lembrando que hoje o grau de dependência das empresas e de muitos países em relação à China é enorme: "80% dos ingredientes ativos, inclusive remédios, são fabricados na China".

Queda do comércio internacional

O presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior comentou que, "no início da semana, houve uma reunião dos ministros de Comércio Exterior, do G-20, grupo das maiores nações industriais do mundo. O Brasil como uma das 10 maiores, esteve presente, e o resultado é muito preocupante. Chegaram à conclusão, por estudos que foram feitos pela Organização Mundial de Comércio, que o comércio internacional pode cair de 5% a 30%, e a economia global pode recuar 5% ou 6%". O diplomata chama atenção, especialmente, nessa questão da economia global, ao crescimento da economia global. "Nós vamos entrar numa depressão, o que é muito sério."

Crescimento do agronegócio

Para o deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP), "o Brasil vai crescer cada vez mais naquilo que é uma vocação natural nossa, que é o agronegócio. Porque nisso nós somos imbatíveis". O parlamentar disse que tem cobrado muito uma postura do governo de apoio aos agricultores. É aqui que vão estar as condições de o Brasil retomar mais rápido o crescimento, no agro", reforçou.

Mudanças pela renovação

Na opinião de Jerônimo Goergen, "a renovação trará mudanças, porque a tecnologia realmente é o espaço que nós vamos ter para aprimorar muito". Segundo o deputado, "a soma também prevista para esse cenário todo é ver como é que se vai competir no agro, como é que nós vamos agregar valor; não mandar soja só, mandar presunto, mandar salame; mandar não o porco, mandar bacon".

Acabou o mercado

Na avaliação de Goergen, "acabou o mercado". "Agora é o Estado que tem que vir para cima. Acho que a tese do Estado necessário, que é aquele Estado que oferece educação, saúde e segurança, e não necessariamente público, pode ser privado; mas a prioridade do Estado é isso." O congressista afirmou que "é um Estado que tenha reserva não só para injetar dólares do mercado, mas reserva para ajudar num momento como esse".
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.