Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 20/03/2020.
Alterada em 20/03 às 03h00min

Investimentos públicos

MARIANA CARLESSO/arquivo/JC
A pandemia do novo coronavírus tem exigido decisões extraordinárias de todos. Os Poderes da República buscam agir conjuntamente num esforço concentrado para reduzir o contágio e, minimizar os efeitos sociais e econômicos do Covid-19. Medidas excepcionais estão sendo exigidas. O deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT, foto) afirma que "o governo está com muitas contradições e muito lento". Critica "a demora de providências por parte do Planalto, e o fato do presidente negar evidências científicas, usando palavras como fantasia e muita tempestade".
A pandemia do novo coronavírus tem exigido decisões extraordinárias de todos. Os Poderes da República buscam agir conjuntamente num esforço concentrado para reduzir o contágio e, minimizar os efeitos sociais e econômicos do Covid-19. Medidas excepcionais estão sendo exigidas. O deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT, foto) afirma que "o governo está com muitas contradições e muito lento". Critica "a demora de providências por parte do Planalto, e o fato do presidente negar evidências científicas, usando palavras como fantasia e muita tempestade".

Investimentos em saúde

Para o líder petista (foto), "em primeiro lugar, o governo tem que ampliar de maneira substancial os investimentos em saúde, em primeiríssimo lugar, e em segundo lugar, o governo tem que lançar também, para ontem, um programa forte de investimentos públicos".

Situação dos informais

"Vai haver um desemprego enorme. Vai haver uma crise de queda de renda grande", enfatizou o deputado. Lembrando que o "impacto na economia será global". Como diminuir o impacto, principalmente, para quem está no mercado informal? Questiona Fontana, citando como exemplo, o garçom que é chamado para nos atender na sexta, no sábado num restaurante e que ganha R$ 150,00 a cada noite, e não vai mais ser chamado". Outro questionamento do deputado é sobre a situação do "cidadão pobre que vai lá na entrada do Beira Rio e na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, vender churrasquinho, ou vender uma bebida, ganha. Ele ganha R$ 700,00 por mês no mercado informal".

Investimento público

Fontana ressalta que "quando a gente fala num investimento público, é investimento de infraestrutura, para gerar emprego, relançar um programa como minha casa, Minha Vida, injetar investimentos em grandes obras que estão em andamento". Ele dá um exemplo gaúcho: "Pode liberar amanhã, R$ 100 milhões para cada uma das grandes obras do Sul: BR-116, a BR-290, a BR-285, que falta um trecho de R$ 70 milhões, e a nova ponte do Guaíba. Isso gera 3 mil a 4 mil empregos imediatamente. Um cara que estava vivendo de bicos não sei aonde, de repente consegue entrar numa obra como essa. Isto alimenta o mercado interno", argumenta o parlamentar.

Programa de renda mínima

"Outra coisa que é indispensável, é a ampliação, que eu vou chamar de programa de renda mínima", afirma Fontana. "Pode ser uma Bolsa Família emergencial ou uma renda mínima para os próximos quatro meses. Para facilitar, permitir a auto declaração. Não podemos criar filas", sugere.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.