Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 23/09/2019.
Alterada em 22/09 às 21h33min

Balde de água fria

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, apresenta o

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, apresenta o "O Brasil que estamos construindo juntos" na Associação Comercial de Porto Alegre.


/LUIZA PRADO/JC
O ministro da Casa Civil, o gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM), jogou um balde de água fria na expectativa dos governadores do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás, que esperavam acertar suas contas com o governo federal ainda este ano. A resposta a um repórter do Jornal do Comércio, durante entrevista coletiva na quinta-feira (19), repercutiu como uma bomba nos salões dos palácios Liberdade, em Belo Horizonte, das Esmeraldas, em Goiás e no belíssimo Negrinho do Pastoreio, do Piratini. Os três governadores não tiveram como esconder suas decepções com o passo atrás do governo federal.
O ministro da Casa Civil, o gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM), jogou um balde de água fria na expectativa dos governadores do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás, que esperavam acertar suas contas com o governo federal ainda este ano. A resposta a um repórter do Jornal do Comércio, durante entrevista coletiva na quinta-feira (19), repercutiu como uma bomba nos salões dos palácios Liberdade, em Belo Horizonte, das Esmeraldas, em Goiás e no belíssimo Negrinho do Pastoreio, do Piratini. Os três governadores não tiveram como esconder suas decepções com o passo atrás do governo federal.
Otimismo incontido
Nos gabinetes dos governadores havia até então um otimismo incontido de que conseguiriam renegociar a inclusão de seus estados num novo formato do Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Principalmente o Rio Grande, que estava em primeiro lugar da fila para retomar as negociações com o governo federal, para sua inclusão no RRF, tão logo se concluíssem os acertos no mesmo sentido com o estado do Rio de Janeiro, esperada para os primeiros dias do mês que vem. Isto se os arrufos entre o governador Wilson Witzel e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o filho nº 1 do presidente da República, não desandar em rompimento.
Pílula amarga
O novo plano não é um céu de brigadeiro. Pelo contrário, é uma pílula amarga. Prevê cortes draconianos de gastos, mudanças em alíquotas de contribuições previdenciárias, tesouradas nas isenções fiscais, proibição de contratações de servidores, e por aí a fora. Mas é melhor do que está.
Esperança dos inadimplentes
Com isto, os governadores poderiam deixar de pagar parcelas da dívida com a União por três anos e recuperariam de imediato o aval para contrair novas dívidas. Não é muito, mas já dá para respirar, pelo menos até as próximas eleições gerais, em 2022, quando os três, Eduardo Leite, Romeu Zema e Ronaldo Caiado, terão possivelmente de enfrentar os desafios das reeleições. No caso específico, o ministro Onyx Lorenzoni é um nome a ser considerado para conter a hegemonia tucana no Rio Grande do Sul, onde o PSDB controla os governos do Estado e de duas cidades polo, a própria capital e Pelotas.
Alíquota única
A proposta do senador maranhense Roberto Rocha (PSDB) propõe unificar a tributação em uma única alíquota federal, unificando (IPI, Confins, PIS, IOF e salário educação), e outra estadual e municipal, unificando ICMS e ISS. Também cria o chamado IS (Imposto Seletivo), que vai incidir especificamente sobre energia, veículos, derivados do petróleo e tabaco.
Fundo de equalização
Por fim, para compensar perdas e diferenças específicas, deve ser criado um fundo de equalização e outro fundo de desenvolvimento regional para estados e municípios. Resultado disso tudo: o novo tributo vai se chamar Imposto sobre Operações com Bens e Serviços. Agora é esperar. Certamente os deputados terão de trabalhar em cima da proposta do Senado, se ela chegar primeiro aos plenários. Corrida de obstáculos.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.