Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 16/09/2019.
Alterada em 15/09 às 22h09min

Lei delegada

Reunião de líderes para discussão da pauta da semana. Presidente da Câmara, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Reunião de líderes para discussão da pauta da semana. Presidente da Câmara, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)


/LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O ex-ministro Delfim Neto, do alto de seus 90 anos, na sua posição de grande sábio da montanha, acima do bem e do mal (aconselhou e assessorou governos de todas as tendências, de Dilma Rousseff a Emílio Garrastazu Médici), sentenciou: a reforma tributária seria melhor realizada por uma lei delegada. Este é um artifício para contornar o dissenso legislativo, usado no governo do ex-presidente João Goulart, em 1963, que, afinal, teve pouco uso mas serviu a seus sucessores. Esse dispositivo, esquecido desde os anos 1960, autoriza o delegado, no caso o chefe do Executivo, a legislar por decreto numa área específica. Mais ou menos corresponde aos antigos decretos-leis dos tempos do Estado Novo e do regime militar.
O ex-ministro Delfim Neto, do alto de seus 90 anos, na sua posição de grande sábio da montanha, acima do bem e do mal (aconselhou e assessorou governos de todas as tendências, de Dilma Rousseff a Emílio Garrastazu Médici), sentenciou: a reforma tributária seria melhor realizada por uma lei delegada. Este é um artifício para contornar o dissenso legislativo, usado no governo do ex-presidente João Goulart, em 1963, que, afinal, teve pouco uso mas serviu a seus sucessores. Esse dispositivo, esquecido desde os anos 1960, autoriza o delegado, no caso o chefe do Executivo, a legislar por decreto numa área específica. Mais ou menos corresponde aos antigos decretos-leis dos tempos do Estado Novo e do regime militar.
Medidas provisórias
É muito mais forte do que as medidas provisórias, pois não depende de aprovação parlamentar. Pelo contrário, sua revogação demanda tramitação equivalente à anulação de uma lei ordinária. É inferior apenas a um artigo constitucional, pois pode cair em quórum simples. Esta seria a alternativa sugerida pelo ex-ministro que, nos seus tempos, pode fazer reformas profundas que relançaram a economia combalida, só na pena da caneta (hoje na esferinha da BIC), só na base do decurso de prazo.
Desafio político
A reforma tributária é o novo desafio político. Há sinais de que poderá avançar no Congresso, principalmente depois que a coletividade dos secretários de Fazenda dos estados foi em comitiva à residência do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), expressar fisicamente sua unidade em favor do andamento da matéria. Porém, quando chegar nos detalhes, que, na verdade, é o essencial, que é a partilha entre os chamados entes subnacionais, essa alegre caravana se desfaz.
Vozes discordantes
Quem não se lembra da caminhada do recém empossado presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e todos os governadores, situação e oposição de braços dados, cruzando a pé a Praça dos Três Poderes para levar ao Congresso uma proposta de consenso? Terminada a festa, cada qual puxou o cobertor para seu lado. A unidade nacional brasileira é um milagre político na história da humanidade. Aparentemente, o único consenso efetivo da nacionalidade é a unidade territorial. Daí para frente, como se comprova nos debates sobre essas questões essenciais, é uma cacofonia de vozes discordantes.
Ninguém ganha
A pergunta que não quer calar é: a quem serve a reforma tributária? A verdade é que é um jogo de perde-perde. Ninguém ganha. O Estado (nos três níveis), com sua boca-de-leão, come quase 40% da receita de toda a economia, na carga tributária mais alta dos países industrializados. Vai ter que cortar na carne. Os setores da economia beneficiados com isenções, renúncias, incentivos e outras formas de avanço sobre o dinheiro público também vão ter de botar a mão no bolso.
Cobertor curto
Os assalariados, do setor púbico e da iniciativa privada, terão de reduzir seus proventos (nas empresas isto já está ocorrendo com a substituição de profissionais por outros igualmente qualificados, porém mais baratos). A verdade é que todos avançaram no bolo além da conta. Sobrou para a sociedade apenas 0,3% do orçamento para investimentos. O resto está todo engessado, como se diz. E os milhões de desempregados a ver navios. Cobertor curto.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.