Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 07/08/2019.
Alterada em 06/08 às 21h24min
COMENTAR| CORRIGIR

Aquisição de alimentos

Deputado federal Heitor Schuch

Deputado federal Heitor Schuch


/Luis Macedo /CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O Ministério da Cidadania está fomentando Projeto para a Aquisição de Alimentos com o objetivo de promover o acesso à alimentação e incentivar a agricultura familiar. Famílias que vivem da agricultura entregam seus produtos em quartéis, institutos federais e universidades. Segundo o Ministério da Cidadania, no primeiro trimestre deste ano, os órgãos públicos federais, estaduais e municipais disponibilizaram mais de R$ 165 milhões para a compra de produtos da agricultura familiar. Até dezembro deste ano, a estimativa do governo federal é ultrapassar a barreira de R$ 300 milhões.
Remorso do governo
"Acho que é um pouco de remorso do governo, porque, na verdade, quando se extinguiu, ainda no governo Michel Temer (MDB), o Ministério do Desenvolvimento Agrário, meio que se abandonou, na sua grande maioria, o programa que havia nessa área de agricultura familiar", disparou o deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB, foto), identificado com o setor.
Rusga com os movimentos
Para o congressista, "o governo (Jair) Bolsonaro (PSL) tem uma rusga muito grande com os movimentos sociais, com o tema da reforma agrária e coisarada e tal. Agora, deve ter gente com a cabeça mais aberta dentro do governo". Segundo o deputado, "quem produz aqueles alimentos diferentes do arroz, do feijão, da soja e do milho é a agricultura familiar. E, para isso, tem que ter programas", assinalou.
Juros altos
O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) está com juros altos, avalia Heitor Schuch. "Muitos não vão conseguir acessar mais, o juro ficou pesado." Na opinião do deputado, "tem que incentivar programas de alimentação escolar, de penitenciárias, entre outros. Programas que já existiam no passado e que foram esvaziados", reclama. "O governo é o indutor da economia, ele que dá o pontapé inicial, ele que dá o recurso, não de forma de fundo perdido, mas que movimenta essa cadeia toda", argumenta.
Problema do transporte
O parlamentar exemplifica: "Uma cooperativa, por exemplo, que leva alface, chicória, tempero verde para vender para a merenda escolar não tem como transportar o produto". Schuch diz que "o governo deve ter se dado conta que não estava fazendo a função dele, tirando a renda de milhares de agricultores familiares; agora, o governo se deu conta que tem que reforçar os programas de agricultura familiar", argumentou o parlamentar.
Grupo de deslumbrados
Na opinião do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, faltou experiência por parte dos procuradores integrantes da Lava Jato. "Eu acho que a gente pode tirar lições disso, aprender. Faltou cabelo branco lá, faltou gente que tivesse noção. Se a gente olhar os fatos, é um grupo de deslumbrados."
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Edgar Lisboa

Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.