Porto Alegre, quarta-feira, 07 de outubro de 2020.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 07 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 00h32min, 07/10/2020.

José Fortunati: Plano Diretor com troca de experiência e prédios mais altos

"O Plano Diretor é uma das principais leis da cidade", sustenta Fortunati

"O Plano Diretor é uma das principais leis da cidade", sustenta Fortunati


JONATHAN HECKLER/JC
Dos desafios que a futura gestão municipal enfrentará em Porto Alegre, um dos principais será a revisão do Plano Diretor. O plano atual é de 1999 e aprimeira revisão entrou em vigor em 2010. Uma nova revisão está emandamentoe será concluída no próximo mandato. Para saber que perfil de planejamento urbano teremos nos próximos 10 anos, a coluna perguntou a candidatos e candidatas à prefeitura como pretendem conduzir a revisão e o que esperar do Plano Diretor na sua gestão.
Dos desafios que a futura gestão municipal enfrentará em Porto Alegre, um dos principais será a revisão do Plano Diretor. O plano atual é de 1999 e aprimeira revisão entrou em vigor em 2010. Uma nova revisão está emandamentoe será concluída no próximo mandato. Para saber que perfil de planejamento urbano teremos nos próximos 10 anos, a coluna perguntou a candidatos e candidatas à prefeitura como pretendem conduzir a revisão e o que esperar do Plano Diretor na sua gestão.
José Fortunati (PTB)
“Não tenho dúvida que o Plano Diretor é uma das principais leis da cidade. Cada vez se torna mais fundamental para pensar a cidade com qualidade de vida”, sustenta José Fortunati (PTB). Ex-prefeito de Porto Alegre, Fortunati sustenta que o Plano Diretor seja discutido com a cidade de forma ampla, com moradores de cada região de planejamento, entidades, empresários e especialistas.
O candidato quer trocar experiência com outras cidades brasileiras que revisaram seus planos num período mais recente e cujos planos sejam consideradas modelo. Ainda assim, sustenta que o Plano Diretor “não pode ser entendido como uma peça de especialistas” e que a população dará as diretrizes para que depois, tecnicamente, possa se encontrar a melhor solução na lei. “O diálogo com a cidade é essencial para que não se equivoque em lei que terá impacto por pelo menos mais dez anos”, completa.
De olho no projeto de cidade, o Fortunati defende que “é mais adequado aumentar a altura dos prédios em determinadas áreas a simplesmente afastar a população para locais mais distantes e com menos infraestrutura” e sustente que isso “é mais grave que prédio elevado”.
O candidato aposta ainda que um tema central na revisão será “voltar ao velho debate de descentralizar a cidade”, segundo ele feito ainda na revisão passada, mas que não avançou desde então. Paralelo a isso, cita outros assuntos relacionados ao planejamento que ele entende que aparecerão nesse processo, como a mobilidade urbana, a sustentabilidade ambiental e a regularização fundiária.
Comentários CORRIGIR TEXTO