Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 21/01/2020.
Alterada em 21/01 às 03h00min

Confusão no DPVAT

Leio na página 13 da edição de 16 de janeiro do Jornal do Comércio: "Detran propõe que DPVAT a mais fique como crédito". Essa última novela brasileira começou com a negativa de cumprimento de uma determinação presidencial de extinção do DPVAT. O governo, então, determinou a redução do valor inicial, o que foi negado através de liminar. O Detran-RS, então, não esperou a decisão judicial final e se apressou em cobrar o valor elevado. Como o presidente do STF recuou e decidiu pelo menor valor, o Detran, agora, dificulta a devolução do valor irregularmente cobrado a maior e exige, por exemplo, que o motorista ou motociclista tenha conta bancária. Muito pior, pela notícia referida, quer ficar com o dinheiro do contribuinte para o ano de 2021. Ainda que decadente, Chico Buarque tinha razão quando musicou o bordão: "Chame, chame o ladrão". (Sérgio Becker, Porto Alegre)
Leio na página 13 da edição de 16 de janeiro do Jornal do Comércio: "Detran propõe que DPVAT a mais fique como crédito". Essa última novela brasileira começou com a negativa de cumprimento de uma determinação presidencial de extinção do DPVAT. O governo, então, determinou a redução do valor inicial, o que foi negado através de liminar. O Detran-RS, então, não esperou a decisão judicial final e se apressou em cobrar o valor elevado. Como o presidente do STF recuou e decidiu pelo menor valor, o Detran, agora, dificulta a devolução do valor irregularmente cobrado a maior e exige, por exemplo, que o motorista ou motociclista tenha conta bancária. Muito pior, pela notícia referida, quer ficar com o dinheiro do contribuinte para o ano de 2021. Ainda que decadente, Chico Buarque tinha razão quando musicou o bordão: "Chame, chame o ladrão". (Sérgio Becker, Porto Alegre)
Temporais
Impressionante o clima neste início do ano. Temos dias muito quentes seguidos de temporais. O quase vendaval do dia 15 de janeiro fez faltar luz, e, como andei na Zona Sul da Capital, a confusão no trânsito, sem as sinaleiras, era grande, com veículos parados por horas. Ninguém respeita o aviso de que não é para trancar o cruzamento. A maioria avança e para no meio da pista, inclusive ônibus e caminhões, trancando tudo. (Maria Otilia Teixeira, Porto Alegre)
ERS-699
A ERS é uma estrada que leva à Barra do Chuí, com nove quilômetros, mas, hoje em dia, apresenta condições precárias para o trânsito. Por esse motivo, moradores protestaram pedindo melhorias na via pública. Querem que o Daer tome providências o mais cedo possível. (Leon Sanguiné, Pelotas/RS)
Futebol
Desde o dia 14 de janeiro, o Esporte Clube Cruzeiro tem novo presidente, que é Dirceu de Castro. Ele substituiu o médico Claudio Lempek Ribeiro, que fez um ótimo trabalho na direção, comandando as atividades do tradicional Cruzeiro, hoje em Cachoeirinha, onde tem sua arena e muito apoio e patrocínio de empresas, da prefeitura local e associados. Foi com Claudio Lempek na direção que o Cruzeiro venceu o campeonato sub-17 de 2019, juvenil, seu primeiro título na nova sede. (Paulo Cicero Casa Nova, conselheiro estrelado)
Greve
Com respeito ao magistério, mas parece que tem alguns que gostam de sofrer no verão. Todos os anos temos uma greve do magistério capitaneada pelo Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers). Mesmo que mereçam receber bem, e nisso todos concordam, a categoria tem milhares e milhares de professores, ativos e inativos, o que dificulta, na prática, pagar o que, realmente, os mestres merecem. (Marcos Souza de Quadros, Porto Alegre
Comentários CORRIGIR TEXTO
Roberto Brenol Andrade
Roberto Brenol Andrade
A opinião dos leitores do Jornal do Comércio é publicada diariamente no espaço Palavra do Leitor.