Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 07/11/2019.
Alterada em 07/11 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

IPVA antecipado

Sempre paguei o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) até os primeiros dias úteis do mês de janeiro, aproveitando o desconto. Mas, no Jornal do Comércio, página 9, edição de 05/11/2019, a notícia do fim do modelo. Neste ano, teria que antecipar para dezembro e janeiro, para não pagar o reajuste previsto de 4%. O Estado está mal das finanças e não é de hoje. Mas concordo com os lojistas que têm promoções em novembro e esperam um Natal melhor por conta do 13º e das promoções como o Black Friday. Faltou mais comunicação do governo. No entanto, não vejo grandes prejuízos para os proprietários. Com certeza, problemas para quem contava com o abono natalino (13º) para quitar outras dívidas. Ainda bem que o governador Eduardo Leite voltou atrás. Fez o certo. (Manuel Garrabia Montoro, Santa Maria/RS)
Sempre paguei o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) até os primeiros dias úteis do mês de janeiro, aproveitando o desconto. Mas, no Jornal do Comércio, página 9, edição de 05/11/2019, a notícia do fim do modelo. Neste ano, teria que antecipar para dezembro e janeiro, para não pagar o reajuste previsto de 4%. O Estado está mal das finanças e não é de hoje. Mas concordo com os lojistas que têm promoções em novembro e esperam um Natal melhor por conta do 13º e das promoções como o Black Friday. Faltou mais comunicação do governo. No entanto, não vejo grandes prejuízos para os proprietários. Com certeza, problemas para quem contava com o abono natalino (13º) para quitar outras dívidas. Ainda bem que o governador Eduardo Leite voltou atrás. Fez o certo. (Manuel Garrabia Montoro, Santa Maria/RS)
Parcelamento: salário x IPVA
A notícia que mereceu chamada de capa do Jornal do Comércio de terça-feira (05/11/19), de que o governo estadual cancelara o parcelamento e diminuiu os prazos para pagamento do IPVA, é um absurdo, um escárnio, uma falta de respeito com o cidadão gaúcho. Funcionários públicos (professores, policiais civis e militares, entre outros) estão recebendo seus salários atrasados e parcelados, devem, por mais um ano, receber seu 13º salário parcelado ou por empréstimo do Banrisul, e o governo pune mais uma vez o povo pela ineficiência e má gestão da coisa pública. A incoerência governamental é patética: se arvora o direito de pagar seus compromissos com a folha de pagamentos atrasada e parcelada, ao mesmo tempo que cobra o IPVA à vista, apertando mais um pouco o torniquete da situação econômico-financeira dos contribuintes. Para solucionar seus problemas de caixa, a solução sempre pronta e imediata de nossos governantes é jogar a conta no bolso do cidadão. Promessa de campanha é um factoide, um engana bobo que todo os candidatos usam. Na campanha, todos têm solução para tudo, mas, depois que assumem, essas promessas são "palavras que o vento levou". Aí, passam a ter as mais descabidas justificativas para seus atos. Ainda bem que ficará tudo igual para 2020, com o modelo de 2019. (Celso Guimarães Ferlauto)
Calçada 
Protesto com o uso que o Hotel Sheraton faz da calçada para estacionamento dos carros de seus hóspedes ou visitantes. A calçada do hotel começa bem na curva onde termina a rua Felix da Cunha e começa a rua Olavo Barreto Viana. Apesar de todo movimento de pedestres no local, o hotel avança com o estacionamento dos carros deixando não mais que um metro para a passagem de pedestres e cadeirantes. O hotel coloca cones limitando o passeio, e o pedestre que se vire na calçada estreitada, junto à rua supermovimentada de veículos. Corre o risco de escorregar com o desnível e irregularidade do piso. Apesar de solicitar diversas vezes ao hotel pelo respeito ao espaço do pedestre no local em frente ao shopping, nunca fui atendido. Então faço meu apelo para chamar a atenção das autoridades sobre o fato. (Carlos Mylius, morador do bairro Moinhos de Vento)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia