Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 06/11/2019.
Alterada em 06/11 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Juro baixo para aliviar dívidas

A notícia de que o juro baixo da Selic, agora em 5% ao ano, pode ajudar no alívio das dívidas seria ótimo (Jornal do Comércio, página 5, edição de 4 de novembro de 2019), caso valesse para todos os financiamentos e dívidas. Porém não é isso o que ocorre. Sugiro que a imprensa - JC principalmente - divulgue em que situações as dívidas podem ser reduzidas. (Juliana Camboim, Porto Alegre)
A notícia de que o juro baixo da Selic, agora em 5% ao ano, pode ajudar no alívio das dívidas seria ótimo (Jornal do Comércio, página 5, edição de 4 de novembro de 2019), caso valesse para todos os financiamentos e dívidas. Porém não é isso o que ocorre. Sugiro que a imprensa - JC principalmente - divulgue em que situações as dívidas podem ser reduzidas. (Juliana Camboim, Porto Alegre)
Regime de Recuperação Fiscal
O Regime de Recuperação Fiscal (RRF) dos estados, que o governador Eduardo Leite está querendo aderir, é um grande erro do governo federal, que, em vez de atacar o problema estado por estado, intervindo neles, fica autorizando novos empréstimos e o não pagamento das dívidas atuais. A dívida acaba caindo para todo o País na forma de inflação e estagnação econômica futura. As promessas que os governadores fazem de que irão cortar gastos e diminuir a máquina pública nunca acontecem por causa dos corporativismos estaduais. No máximo conseguem autorização para vender algumas estatais deficitárias, que depois são "vendidas" discretamente para o governo federal. (Rafael Alberti Cesa, Caxias do Sul/RS)
Petrobras
Bem administrada e sem as falcatruas que usurparam bilhões de reais do seu patrimônio, a Petrobras voltou a dar lucro. E bem alto. Parabéns aos novos administradores. Só espero que sindicalistas, que sempre estão na oposição, não busquem desculpas pueris para prejudicar a maior estatal brasileira, orgulho de todos nós desde Getulio Vargas. (Sandro Rivera)
Ramba, a elefanta
Fiquei encantado com o transporte de uma elefanta desde o Chile para o Brasil, onde o animal, embora agora com bastante idade, recuperou a liberdade. É mesmo uma injustiça aprisionar animais em circos para forçá-los a fazer peripécias, geralmente sob maus-tratos. Parabéns aos que tiveram e concretizaram a ideia. (Cristina Régis Helziario, Porto Alegre)
Política mercenária
É o que temos, infelizmente, que está envergonhando e denegrindo nossa imagem ao mundo, que, estarrecido, assiste a uma verdadeira briga de bugios entre os partidários do PSL, que abriga oportunistas e mercenários políticos. Assim como dezenas de partidos que gastam muito e pouco produzem aos interesses do Brasil. Geraram e mantêm uma democracia, antiética e com interesses nos milhões do dinheiro público que lhes são destinados anualmente como fundo eleitoral. Já passou da hora de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) dar um basta nessa proliferação de partidos, verdadeiros cabides de empregos e geração da corrupção. Olhem as democracias dos países nórdicos, sem mordomias, sem dezenas de assessores. Que a reforma política seja antecipada e moralize nossa política mercenária. (Ramiro Nunes de Almeida Filho, Porto Alegre)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia