Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 25/10/2019.
Alterada em 25/10 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Empregono RS

18-JCA005-DIG.pdf    Palavra do Leitor Sexta-feira 25 10 2019

18-JCA005-DIG.pdf Palavra do Leitor Sexta-feira 25 10 2019


/REPRODUÇÃO/JC
Até setembro, o Rio Grande do Sul tem saldo positivo de vagas de empregos preenchidas. Que ótima notícia (Jornal do Comércio, página 5, edição de 18/10/2019). É muito triste ver famílias com filhos e parentes desempregados, tendo que sustentar-se na base do auxílio de outros da própria família. Alguns apelam até para amigos. Isso tem que melhorar. A esperança ficou para 2020, segundo as previsões, mesmo com este pequeno avanço bem-vindo de 2019 na economia. Que se repita em outubro, novembro e dezembro deste ano. (Goytagaz Duarte, Cruz Alta/RS)
Até setembro, o Rio Grande do Sul tem saldo positivo de vagas de empregos preenchidas. Que ótima notícia (Jornal do Comércio, página 5, edição de 18/10/2019). É muito triste ver famílias com filhos e parentes desempregados, tendo que sustentar-se na base do auxílio de outros da própria família. Alguns apelam até para amigos. Isso tem que melhorar. A esperança ficou para 2020, segundo as previsões, mesmo com este pequeno avanço bem-vindo de 2019 na economia. Que se repita em outubro, novembro e dezembro deste ano. (Goytagaz Duarte, Cruz Alta/RS)
Situação no Chile
O Jornal do Comércio, edição de 23/10/2019, nos traz, democraticamente, opiniões diversas sobre a situação do Chile. Na página 6, o colunista Hélio Beltrão enfoca a atual situação como fruto do "populismo" de esquerda e enumera vários índices positivos. Já na página 18, diversos especialistas mostram que a concentração de renda associada à baixa segurança institucional referente à Seguridade Social remete à desordem social fruto de uma pressão enorme. Note-se: 1) o Chile é substancialmente dependente de energia externa, assim passível de variações abruptas; 2) o índice do PIB nacional não é um trunfo social por si só; 3) a concentração de renda só aumenta; e 4) o achatamento do rendimento básico é evidente. Diante do todo, a situação Chile nos serve de alerta e lição, pois queremos copiar um modelo já exaurido. Qual a expectativa de um jovem no mercado de trabalho chileno? Se não pensarmos como República em que já temos situações de privilégio econômico gritantes e não pensarmos em uma segurança institucional nacional básica e eficaz, voltaremos às desordens de 2013 e à situação chilena atual. Embora passível de erros, a social democracia europeia conseguiu unir Estado e capital para dar uma segurança maior. Espero que pensemos bem antes de avançarmos. (João Carlos Wilhelm Coelho, engenheiro)
Porto da Rua da Praia
Há alguns anos, quando órgão da prefeitura de Porto Alegre fazia manutenção ou uma obra na Praça da Alfândega, foi descoberta a escadaria do atracadouro original, quando o Guaíba chegava até ali, daí, aliás, no nome de Rua da Praia. Mas ninguém se interessou em limpar o local, deixá-lo arrumado, talvez com cerca, bem iluminado, com placa indicando a origem, como foi bem feito na Ponte de Pedra (Largo dos Açorianos). Se o prefeito Nelson Marchezan Júnior, um adepto das PPPs, com razão, pedisse que uma empresa particular apadrinhasse a recuperação do local seria uma atração. Há vidros fortes hoje em dia que poderiam deixar os visitantes verem o pioneiro atracadouro da cidade. Fica a sugestão. (Juvenal Weinrich, Porto Alegre)
Iluminação
Porto Alegre está precisando de uma boa e nova iluminação, com lâmpadas mais fortes e que possam clarear as ruas escuras que ainda temos, principalmente em bairros. (Regina Mantovani, Porto Alegre)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia