Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 27/08/2019.
Alterada em 27/08 às 03h00min

Reforma dos militares

Acho justo que, após a reforma da Previdência dos civis, venha a mudança na reforma dos militares. Maior contribuição e mais tempo na ativa, antes da ida para casa (Jornal do Comércio, página 7, edição de 22/08/2019). Mesmo reconhecendo que a carreira militar tem diferenças, o Brasil tem que se atualizar com a longevidade maior e gastar menos, para acabar com os déficits no governo federal e também nos estados e municípios. (Lauro Prates)
Acho justo que, após a reforma da Previdência dos civis, venha a mudança na reforma dos militares. Maior contribuição e mais tempo na ativa, antes da ida para casa (Jornal do Comércio, página 7, edição de 22/08/2019). Mesmo reconhecendo que a carreira militar tem diferenças, o Brasil tem que se atualizar com a longevidade maior e gastar menos, para acabar com os déficits no governo federal e também nos estados e municípios. (Lauro Prates)
Democracia  
Trump, Bolsonaro, Maduro, Putin, Erdogan, Salvini, Boris Johnson, Victor Orbán... A democracia liberal (elemento fundamental do Estado de Direito) sobreviverá à onda de populismos extremistas de direita e de esquerda que se alastra(m) sobre o planeta? (Thieser Farias, estudante de Direito, Universidade Federal de Santa Maria/RS)
União salvadora
Repensar o Estado brasileiro, fixando-o nas atividades essenciais (saúde, educação e segurança), caminho que tem de ser percorrido com rapidez. Em estando quebrado, qualquer providência reformista, reconheçamos, encontrará dificuldades porquanto contraria interesses de privilegiados. Ao invés de polêmicas semanais, para não dizer diárias, como ocorrendo, que terminam prejudicando a gestão, imprescindível a união nacional, independentemente de ideologias e de partidos políticos, para construção de novos tempos. A nenhum dos Poderes da República é aceitável a omissão. Todos precisam compreender o momento de 13 milhões de desempregados e agir com atitudes de salvação. Fazê-lo enquanto há tempo! Não estamos falando em adesão, mas em união. (Jorge Lisbôa Goelzer, Erechim/RS)
Macron
Com a sua popularidade caindo de 60% quando do início do seu governo para menos de 20%, o presidente da França, Emmanuel Macron, agora virou paladino do meio ambiente, culpando o Brasil pelo aquecimento do mundo. Esquece dos Coletes Amarelos que o criticam há meses nas ruas de Paris, e citou até a Guiana Francesa - área tomada de Portugal, que, para ele, sofre "com a destruição da Amazônia". Menos, senhor Macron, menos. O senhor quer desviar o foco do seu fracasso como governante. (Marco Antônio Castello, Porto Alegre)
Português
Nas redes sociais, a língua portuguesa está sofrendo um massacre total. É erro em cima de erro, e dos mais grosseiros. O tal de corretor dos smartphones só piora tudo, trocando palavras corretas por outras, erradas. Nos colégios, julgo que não há mais aulas com ditados e leituras em voz alta, como eu fiz muito quando ainda no então Primário. Uma pena. (Cleusa Caldas Montoro, Uruguaiana/RS)
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Roberto Brenol Andrade
Roberto Brenol Andrade
A opinião dos leitores do Jornal do Comércio é publicada diariamente no espaço Palavra do Leitor.