Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de abril de 2019.
Dia Nacional da Conservação do Solo. Dia Mundial do Desenhista.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Edição impressa de 15/04/2019. Alterada em 15/04 às 03h00min

Avenida Farrapos

Em relação à matéria "Construída há 80 anos, avenida Farrapos tenta se recuperar" (Reportagem Cultural, Caderno Viver, Jornal do Comércio, 12/04/2019), antes de se chamar Farrapos, a avenida original se chamava Minas Gerais. Tenho uma planta de 1889 que mostra a região, cujas ruas todas têm nome de estados. (Raul Risco, Porto Alegre)
Avenida Farrapos II
Muito boa a reportagem sobre a avenida Farrapos. (Genesio Pedro Bondan)
Trânsito
O trânsito de Porto Alegre está cada vez mais confuso. São cerca de 850 mil automóveis rodando pela cidade e não há mais horas de pico, pois, a todo momento, durante todo o dia, os engarrafamentos acontecem. Até quando? (Ubirajara dos Santos)
Consumidores de drogas
Todos pedem a prisão dos traficantes de drogas, que têm quadrilhas e se matam uns aos outros. Mas isso é pelo lucrativo comércio. Porém ninguém fala dos consumidores. Eles são os que alimentam o nefasto comércio ilegal e que torna viciados e doentes milhares ou milhões de brasileiros todos os anos. Vamos fazer campanha para que ninguém mais use drogas ilícitas. (Goytacaz Reis, Porto Alegre)
Privatizações
O deputado Mateus Wesp (PSDB) comete equívocos com relação à privatização de estatais no seu artigo (Opinião, Jornal do Comércio, edição de 11/04/2019). O grupo CEEE é lucrativo. A distribuidora foi avaliada a quarta melhor do Brasil, e a CEEE-GT obteve o melhor desempenho no principal indicador de avaliação da qualidade de prestação de serviço público de transmissão de energia. O índice foi superior à disponibilidade do sistema de transmissão de gigantes do setor elétrico, como Furnas, Chesf, Eletronorte e Eletrosul. Em segundo lugar, o Estado nunca investiu no grupo CEEE, pelo contrário, só retirou recursos para fechar o caixa. As empresas do grupo CEEE são sociedades de economia mista que geram sua receita. Alemanha e Portugal reestatizaram as empresas de energia, tamanho foi o fracasso das privatizações. (Daniel Pereira D'Alascio, engenheiro eletricista)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia