Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de junho de 2018.
Dia do Ministério Público Estadual.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 28/06/2018. Alterada em 28/06 às 01h00min

Cinema e política

O grande problema de produções cinematográficas recentes, vide Justiça para todos, ou a série O Mecanismo, de José Padilha, é que os seus realizadores tentam reconstituir fatos de eventos muito recentes da nossa política, mas que acabam caindo na vala comum ao cruzar ficção com um realismo plástico. A situação piora quando fazemos uma comparação dessas obras com que a gente já tinha visto pela mídia, mesmo quando ela, na maioria das vezes, se posicionou de uma forma parcial com relação aos acontecimentos. Assisti, no Cinebancários de Porto Alegre, o documentário O Processo, obra que nos recoloca novamente nos eventos que desencadearam na saída da presidente Dilma Rousseff (PT) no dia 31 de agosto de 2016. Assistir a obra é como revisitarmos um pesadelo, do qual nos vemos por detrás de uma nuvem negra inabalável e que faz com que não enxerguemos uma luz no final do túnel. (Marcelo Castro Moraes, crítico de cinema, Porto Alegre)
Cinema e política II
Fiasco em todo o Brasil os filmes retratando a vida de políticos e líderes religiosos brasileiros. Ninguém, ou muito poucos, assistiram ou vão assistir. (Luiza de Mello)
Estátuas pintadas
Também na Rússia agora na Copa do Mundo, como, bem antes, na França, vejo turistas brasileiros encantados com as estátuas públicas pintadas de amarelo. Em Paris, até nas pontes tem adereços pintados de amarelo-ouro. Por que a prefeitura não faz o mesmo aqui? (Sueli Chininha Campos)
Copa
Os resultados têm comprovado. Ainda não apareceu, pelo menos até agora, uma seleção de primeira, como se via em outras Copas do Mundo. Torço para que o Brasil siga brilhando. Mas, até agora, está fraquinho. (Celso Ramos, Porto Alegre)
IPTU de Porto Alegre
Já cansou esta história do IPTU. A cidade está mal, um caos, segundo o próprio prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e todos nós sabemos. Então, vamos fazer logo uma reavaliação, após mais de 20 anos, do valor venal dos imóveis. (Fernando B. de Castro, Porto Alegre)
Pedestres
O que há de pedestres que cruzam nas faixas de segurança, o que é correto, mas falando no celular está demais. Distraídos, forçam os motoristas, mesmo com o sinal verde pare eles, tomarem muito cuidado. (Marcelo Ricardo Fontoura, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 28/06/2018 11h00min
A TÁTICA COREANA DOS OLHOS ABERTOS!!!nQuem falou que nesta Copa da Rússia poderíamos ter algumas surpresas, acertou.nOs Coreanos através da vossa humildade, respeito e velocidade, conseguiram enxergar bem mais desta vez. Se anteciparam em muitos lances na hora de colocar o pé, na frente do chute de algum desesperado e assustado jogador Alemão. Eles como sempre correram demais e com os seus pequenos olhos bem abertos, conseguiram fazer o crime na Alemanha que entrou de salto alto. Será que esta derrota por 2x0 e eliminação precoce nesta Copa, foi culpa da soberba científica dos Alemães, devido aquele 7x1 fora da curva no Brasil em 2014? As aftas ardem e dói. Abs. Dorian Bueno, POA, 28.06.2018