Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Dia da Bandeira.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Notícia da edição impressa de 19/11/2020.
Alterada em 18/11 às 21h36min

Globalização sobreviveu à pandemia

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/08/206x137/1_arte_solange_srour-8896800.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5dc5d1051560e', 'cd_midia':8896800, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/08/arte_solange_srour-8896800.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Solange Srour', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Solange Srour', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/08/206x137/1_arte_solange_srour-8896800.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5dc5d1051560e', 'cd_midia':8896800, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/08/arte_solange_srour-8896800.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Solange Srour', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Solange Srour', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Economista-chefe de Brasil do banco Credit Suisse. É mestre em economia pela PUC-Rio
O enorme pessimismo com o futuro da globalização pós-pandemia começa a se mostrar exagerado.
A vitória de Joe Biden nos Estados Unidos trouxe a esperança de retorno ao multilateralismo internacional, em oposição às políticas individualistas de Donald Trump.
Na Europa, a criação de um fundo para aliviar os danos econômicos da crise, financiado com emissões de dívida conjunta dos membros da União Europeia, foi um marco histórico. A iniciativa representou um passo em direção à união fiscal e uma tentativa de impedir o surgimento de movimentos como o brexit.
No entanto, foi na Ásia que o avanço de integração se mostrou mais significativo até agora. A finalização de um grande acordo comercial entre 15 países -com a criação do bloco denominado Regional Comprehensive Economic Partnership- reduzirá significativamente as tarifas entre países, além de fortalecer as cadeias produtivas da região. É o primeiro acordo comercial a reunir China, Japão e Coreia do Sul.
São justamente os asiáticos que parecem ser os grandes vencedores desta crise. A China será o único país com um PIB relevante a apresentar crescimento próximo de 2% neste ano, enquanto o mundo deve sofrer contração de 4,4%; e os EUA, de 4,3% -segundo o FMI.
No entanto, está longe de ser um caso isolado. O Vietnã deve crescer 1,6%, Taiwan deve permanecer estável, e a Coreia do Sul deve registrar contração de apenas 1,9%.
A região se destacou pelo controle eficaz da doença, cujo impacto sobre a quebra das cadeias produtivas foi muito menor do que o ocorrido nas Américas e na Europa.
Com essa vantagem, a Ásia conseguiu aproveitar sua elevada integração comercial com o mundo para sustentar o crescimento via exportações. Sem precisar recorrer a elevados pacotes fiscais e estímulos monetários adicionais, a forte demanda por seus produtos eletrônicos ("Zoom boom") gerou um crescimento em forma de "V" na região.
Já os países emergentes menos integrados ao exterior recorreram excessivamente a estímulos fiscais e monetários. E agora terão de retirá-los, mesmo que suas economias não estejam completamente recuperadas, sob o risco de perder a confiança dos mercados.
Com o alto endividamento e a trajetória não sustentável dos gastos públicos, o Brasil terá a mais forte retração no impulso fiscal. No entanto, uma parcela importante da nossa economia não sofrerá: justamente os setores mais abertos ao comércio internacional (como o agronegócio, responsável por 25% do PIB) conseguiram não só ampliar mercados como também apresentar aumento de produtividade durante a pandemia.
Nossas perspectivas dependem da volta à trajetória fiscal sustentável -condição necessária, mas não suficiente, para a expansão a médio prazo. Para tal, o Brasil precisa inserir os outros 75% do seu PIB na cadeia produtiva global, inclusive no setor de serviços, via abertura comercial e atração de investimentos estrangeiros.
O futuro do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul e dos acordos bilaterais entre Brasil e EUA dependerá do nosso posicionamento em relação à questão ambiental. A realização de um leilão competitivo para a disputada implementação das faixas 5G será outro teste importante para um país que precisa deslanchar inúmeros projetos de infraestrutura.
A crise do Covid-19 atingiu o mundo num momento em que os mecanismos de coordenação internacional estavam desestabilizados. No entanto, paradoxalmente, a saída da crise será possível graças à ciência, que está cada vez mais globalizada. A cooperação mundial facilitou a distribuição de testes e uniu esforços em torno da produção e da distribuição das vacinas a serem aprovadas.
A primeira vacina a mostrar um extraordinário nível de eficácia foi desenvolvida pela BioNTech, empresa fundada por dois cientistas filhos de imigrantes turcos que chegaram à antiga Alemanha Ocidental depois do chamado "acordo de recrutamento", que permitiu a recomposição de sua força de trabalho no pós-guerra. A globalização prova não só ter sobrevivido ao vírus como também ser o caminho para sua erradicação.
Comentários CORRIGIR TEXTO