Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 14/07/2020.
Alterada em 13/07 às 21h29min

Há limite para a taxa básica de juros?

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_samuel_pessoa-8871203.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d97076a2b', 'cd_midia':8871203, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/samuel_pessoa-8871203.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Samuel Pessôa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Samuel Pessôa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_samuel_pessoa-8871203.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d97076a2b', 'cd_midia':8871203, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/samuel_pessoa-8871203.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Samuel Pessôa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Samuel Pessôa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (FGV) e sócio da consultoria Reliance
Nos últimos anos, houve forte queda da taxa básica de juros. A Selic é a taxa pela qual o Banco Central remunera o caixa dos grandes bancos. A partir dessa remuneração, as instituições financeiras decidem sua política de concessão de crédito -quanto menor a taxa Selic, maior o estímulo ao crédito-, e toda a estrutura de taxa de juros do país, para diferentes prazos e tomadores, é determinada.
Certamente o recuo da taxa básica de juros deveu-se à alteração do regime de política fiscal e da política de crédito do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), observada após o governo Temer, bem como à queda do juro internacional.
Na atual crise, um tema que tem sido tratado é se há algum limite inferior para a taxa básica de juros.
Na ata da mais recente reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, realizada em 16 e 17 de junho, lê-se que "o comitê retomou a discussão sobre um potencial limite efetivo mínimo para a taxa básica de juros brasileira. Para a maioria dos membros do Copom, esse limite seria significativamente maior em economias emergentes do que em países desenvolvidos devido à presença de um prêmio de risco".
O Copom sugere que o limite para a taxa básica de juros em países emergentes seria dado pela taxa básica de juros internacional somada a uma medida de risco-país.
Se o juro cai abaixo desse limite, há forte pressão para a saída de capitais, o que pode acarretar intensa desvalorização do real. A depreciação do real pode afetar a saúde financeira de inúmeras empresas que têm passivos na moeda estrangeira, além de gerar repasse cambial.
Não me parece proceder a preocupação com passivos cambiais. Como Alexandre Schwartsman tem apontado (bit.ly/38Plk4f), os setores privado e público brasileiro são liquidamente credores em moeda forte. A desvalorização do real melhora os balanços em termos líquidos.
Por outro lado, a preocupação com o repasse inflacionário da desvalorização faz todo o sentido. No entanto, esse tema pode e deve ser tratado no próprio arcabouço do regime de metas de inflação.
O encarecimento dos insumos importados e o estímulo à exportação, que segue do enfraquecimento da moeda nacional, representam um choque negativo de oferta. Na medida em que há impactos inflacionários - além dos impactos sobre os preços dos bens diretamente afetados pela desvalorização -, o Banco Central precisa subir os juros para conter esses efeitos secundários sobre a inflação.
Ou seja, o perigo são os efeitos secundários da desvalorização sobre a inflação, e não a depreciação em si. Os efeitos secundários, por sua vez, dependem do balanço entre oferta e demanda doméstica.
Mas o Banco Central me parece totalmente correto em afirmar que a manutenção dos juros baixos depende da continuação das reformas que permitem que tenhamos uma política fiscal equilibrada, com gasto público crescendo menos do que a economia.
Em geral, a equação de paridade deve valer: o juro doméstico corrigido pelo risco, somado à taxa de (des)valorização da moeda, tem que ser igual ao juro internacional. Ou seja, para que os juros domésticos em reais sejam baixos sem gerar saídas de capital, é necessário que os investidores esperem que o real se fortaleça.
Para que isso ocorra, temos que partir de uma situação de superávit expressivo nas contas externas. A construção do superávit externo estrutural dependerá de um ajuste fiscal estrutural.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO