Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 08/07/2020.
Alterada em 07/07 às 21h19min

Informalidade, por quê?

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_cecilia_machado-8871013.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d7165916d', 'cd_midia':8871013, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/cecilia_machado-8871013.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO/FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_cecilia_machado-8871013.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d7165916d', 'cd_midia':8871013, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/cecilia_machado-8871013.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO/FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Economista, professora da EPGE (Escola Brasileira de Economia e Finanças) da FGV
A existência de muitos trabalhadores e empresas na informalidade -incluindo de forma ampla trabalhadores sem carteira e por conta própria e empresas sem registro- revelou-se enorme custo para a mitigação dos efeitos econômicos da pandemia. As políticas implementadas, como o auxílio emergencial e as linhas de crédito para pequenas empresas, foram de difícil implementação e pouco focalizadas.
Fica evidente que os custos sociais da invisibilidade são bastante altos, especialmente em crises como agora. Também é claro que uma política de assistência que contempla base mais ampla é solução possível para as vulnerabilidades dos informais. Mas, se a informalidade deriva do funcionamento no nosso mercado de trabalho, faz sentido remediá-la por meio de assistências?
A pergunta ganha relevância no contexto brasileiro porque nossa economia conta com 40% da força de trabalho e 65% das empresas na informalidade.
A magnitude do fenômeno deixa claro que a informalidade não está aí por acaso. Se, de um lado, os custos se traduzem em políticas públicas menos acessíveis e menor base tributária, de outro, há benefícios.
A informalidade ganha propósito quando as regras do mercado de trabalho são muito rigorosas, quando os impostos são muito altos, quando a produtividade do trabalho é incompatível com o salário mínimo estipulado. É a margem de ajuste quando nada mais pode ceder.
Mas, ainda que a invisibilidade dos informais tenha suas características indesejáveis ressaltadas na pandemia, acabar com a informalidade pode não gerar ganhos líquidos inequívocos para a sociedade. A formalização da economia é frequentemente acompanhada pela eliminação de postos de trabalho e por empresas inviáveis em ambiente regulados. Já os ganhos dependem bastante da maneira como a informalidade é atacada e envolvem entender suas causas.
Uma possibilidade seria aumentar a coercibilidade da formalização, através, por exemplo, do aumento das fiscalizações e de punições para quem emprega informais.
No Brasil, Almeida e Carneiro (2012) estimam que uma maior fiscalização diminui a informalidade e aumenta o desemprego, mas que parte da formalização se dá via salários mais baixos, especialmente quando o mínimo não é restrição, mostrando que os trabalhadores valorizam os benefícios da carteira assinada e estão dispostos a receber menos em troca deles.
Outra alternativa compreende facilitar a entrada e a permanência das empresas na formalidade, através de redução de impostos e facilidade nos registros, propósito de programas como o Simples e o Microempreendedor Individual (MEI).
Os efeitos de políticas nessa direção, entretanto, têm sido modestos. Monteiro e Assunção (2012) mostram que o Simples teve efeitos positivos só na formalização das empresas do comércio varejista. Rocha, Ulyssea e Rachter (2018) revelam que a simplificação trazida pela MEI formaliza firmas já existentes. Em ambos os casos, o custo fiscal foi muito superior aos benefícios da formalização.
Por fim, é preciso considerar que a atual legislação trabalhista e tributária gera ganhos no conluio entre empresas e trabalhadores, que tem incentivos a repartir ganhos desse excedente no mercado informal.
Van Doornik, Schoenherr e Skrastins (2020) mostram que comportamentos estratégicos em demissões, e decorrente elegibilidade ao seguro-desemprego, são mais frequentes em regiões com maior leniência à informalidade.
É equivocado lidar com os informais só pela lente das assistências. Ao contrário, o financiamento do governo e de todas as suas políticas públicas vem justamente de um mercado de trabalho dinâmico e produtivo.
A população que perde seus empregos precisa estar visível, não só para os auxílios como também para receber treinamento e qualificação, através das chamadas políticas ativas de (re)inserção no mercado de trabalho. Lidar com a questão da informalidade envolve atacar suas causas, e não remediar suas consequências.
Comentários CORRIGIR TEXTO