Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Notícia da edição impressa de 21/05/2020.
Alterada em 20/05 às 22h56min
CORRIGIR

Heterodoxia inflacionária

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Engenheiro com especialização em finanças e MBA na Universidade Columbia, é presidente da Associação Mises Brasil
Todos os dias tropeço em receituário contraprodutivo para políticas econômicas na mídia. Já não me surpreendo que especialistas proponham mais disparates que leigos.
É costumeiro o pensamento de primeira ordem, que desconsidera custos de oportunidade e efeitos de segunda ou terceira ordem. O curto prazo domina, o consumo imediato é enaltecido, a poupança, desacreditada, o empreendedor, espezinhado, o governo, idealizado. A falta de responsabilização dos idealizadores de políticas incentiva o descuido com o futuro, que se materializa em "consequências não previstas".
Parte do problema deriva das dificuldades inerentes à ciência econômica, que, em contraposição às ciências naturais, não se ajusta facilmente a expokerimentos controlados, com variáveis isoladas e a possibilidade de reproduções e repetições.
O ser humano teima em ser uma "constante" rebelde, temperamental, que muda de opinião e desrespeita relações de transitividade. Inexiste o Homo economicus com racionalidade perfeita, como demonstrou Daniel Kahneman em seu livro "Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar".
O artigo de André Lara Resende na Ilustríssima de domingo passado (17) é uma dessas tentativas de retrocesso científico. Propõe eliminar a separação entre política monetária, a cargo do Banco Central, e política fiscal, determinada pelo Congresso e pelo Executivo e tocada pelo Tesouro.
Resende propõe entregar aos políticos as chaves da máquina que cria dinheiro. É como voltar às origens do Banco Central, quando um banco privado com cotistas nobres topava financiar o rei em troca do lucrativo monopólio da moeda fiduciária nacional, um pacto mefistofélico que invariavelmente gerou inflação e desesperança.
A proposta populista de Resende não difere substancialmente do expediente que vigorava no Brasil na década de 1980, quando a conta movimento do Banco do Brasil promovia a mistura espúria entre a moeda nacional e o Tesouro, gerando superinflação crônica.
Simplificadamente, há três tipos de sistema: em um polo, a separação total entre nosso dinheiro e o Estado, um sistema com dinheiro privado. No outro, o sistema com dinheiro emitido por conta e ordem dos políticos para efetuar gastos imediatos virtualmente ilimitados, a ideia de Resende.
Entre esses polos, está o sistema atual, no qual o BC está impedido de emprestar diretamente ao governo (ou de monetizar seus déficits), mas cria dinheiro novo para os bancos, que, por sua, vez decidem se e quando disponibilizam esse dinheiro para o público por meio de empréstimos.
Nem o público e muito menos os políticos têm acesso ao dinheiro criado pelo Banco Central para os bancos. Não é o sistema ideal, mas é superior ao hiperinflacionário sistema de dinheiro criado por políticos.
Deixa a desejar a refutação de Resende sobre a natureza monetária da inflação. Sua evidência é que as volumosas reservas criadas pelo Fed durante a crise de 2008 não criaram inflação.
De fato, a base monetária americana subiu de US$ 850 bilhões para US$ 2 trilhões ao fim de 2010. No entanto, importa o dinheiro em circulação, por exemplo, o M2, que cresceu de US$ 8 trilhões a US$ 8,8 trilhões, nesse período de maior demanda por dinheiro (como agora, "cash is king"). A teoria monetária continua intacta.
Sempre heterodoxo, Resende tem suas impressões digitais nos dois mais fracassados planos econômicos de nossa história: o Plano Cruzado, de congelamento de preços, e o Plano Collor, de confisco da poupança dos brasileiros. Falhou ao tentar conter a inflação. Agora, talvez seja bem-sucedido em criar hiperinflação.
 
Comentários