Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de maio de 2020.
Nossa Senhora de Caravaggio - feriado em Caxias do Sul.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 26 de maio de 2020.
Notícia da edição impressa de 15/05/2020.
Alterada em 26/05 às 21h44min
CORRIGIR

O desconforto aumenta

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Engenheiro com especialização em finanças e MBA na Universidade Columbia, é presidente do Instituto Mises Brasil
Há meras duas semanas começou o desconforto do ministro Paulo Guedes com a tentativa de um grupo com membros no Planalto, na Esplanada dos Ministérios e no Congresso de emplacar um plano de investimentos públicos à sua revelia, o Pró-Brasil.
O desconforto vem subindo com os desdobramentos do acordo entre o presidente Bolsonaro e o centrão. O Republicanos, partido-membro do centrão cuja maioria de deputados compõe a bancada evangélica, quer abocanhar a Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, comandada por Carlos da Costa. Seu pleito é recriar o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços sob o comando de Marcos Pereira, que foi ministro da pasta durante o governo Temer.
As direções da Funasa, do FNDE, do Banco do Nordeste, do Dnit, da Codevasf e de outras estão sendo pleiteadas por partidos-membros do centrão. Tais cargos cumulativamente controlam verba de quase R$ 80 bilhões, que supera o orçamento total administrado por todos os governadores, exceto os de São Paulo, Rio e Minas Gerais.
A dança dos cargos é um efeito colateral adverso da volta à velha política do presidencialismo de coalizão, uma espécie de arranjo institucional sustentado em acordos políticos entre o Executivo e parte do Legislativo em prol de um objetivo comum.
Acuado, o interesse do Executivo em seu acordo com o centrão é o apoio para bloquear tentativas de impeachment e assim garantir a governabilidade. Em troca, o centrão deseja os cargos no Executivo e a liberação de emendas parlamentares durante a negociação do Orçamento da União.
O centrão também tenta angariar apoio do Palácio do Planalto para as eleições daqui a nove meses das presidências da Câmara e do Senado, em sucessão a Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, respectivamente, que não podem ser reeleitos.
A campanha começou precocemente e é encabeçada por Arthur Lira, líder do centrão e articulador do acordo com o presidente Bolsonaro.
A caneta do presidente da Câmara é talvez a mais poderosa do Brasil, em parte devido ao regimento interno arcaico e centralizador. O presidente da Câmara tem a palavra final sobre aberturas de processo de impeachment, instalações de CPIs e sobre a ordem do dia. Ainda que os demais 512 deputados desejem pautar determinado projeto de lei para votação, o presidente tem o poder imperial de barrá-lo a seu critério exclusivo.
O acordo com o centrão representa uma virada de 180 graus do presidente Jair Bolsonaro, que sempre rechaçou a política do toma lá dá cá, que no Brasil historicamente simbolizou imoralidade e corrupção.
Guedes já deixou claro que renunciará caso o Ministério da Economia seja fatiado ou caso seja obrigado a sucumbir a nomeações de cunho político.
Guedes vem sendo sistematicamente atacado pelos flancos: de um lado, pela esquerda petista-psolista que obstaculizou e votou contra o marco do saneamento e a privatização de estatais, e, de outro, pelos militares que desejam ressuscitar planos desenvolvimentistas dos anos 1970. Agora o golpe é frontal: o blocão do centro. Espero que resista.
Geralmente, quando alguém tenta obstinadamente distanciar-se de algo, acaba dele se aproximando. O presidente Bolsonaro, obcecado em evitar o impeachment, parece aumentar seu risco ao relegar a pauta propositiva de seu governo a segundo plano e aliar-se a um grupo liderado por réus e investigados da Lava Jato.
Esse grupo sabidamente tem uma prioridade: dinheiro aplicado diretamente nas bases para angariar votos nas eleições. São velhos hábitos que rondam o presidente.
Comentários