Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de março de 2020.
Notícia da edição impressa de 25/03/2020.
Alterada em 24/03 às 21h52min
COMENTAR | CORRIGIR

Aos médicos

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nizan_guanaes-8871149.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d8e101154', 'cd_midia':8871149, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nizan_guanaes-8871149.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nizan Guinaes', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nizan Guinaes', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nizan_guanaes-8871149.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d8e101154', 'cd_midia':8871149, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nizan_guanaes-8871149.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nizan Guinaes', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nizan Guinaes', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Empreendedor, fundador do Grupo ABC
Esta coluna é dedicada aos médicos e a todos os profissionais de saúde. Meu olho enche de lágrima só de pensar nesse exército de homens e mulheres que se expõem para nos salvar, para nos cuidar, para nos acalmar, para nos consolar.
Imagine os médicos e enfermeiros da Itália, da China, do Brasil. Graças a um deles você veio ao mundo, um filho seu foi salvo, um curou a Donata, outro me salvou de quase virar alcoólatra.
No mundo em que se fala tanto de propósito (tantas vezes da boca para fora), esses caras são o propósito vivo. A grande maioria ganha pouco, ou deveria ganhar muito mais.
Milhares e milhares vão enfrentar o vírus do momento, mas ele já foi a peste bubônica, a peste negra, a tuberculose, a Aids...
Médico, para mim, não deveria pagar Imposto de Renda, não deveria pagar transporte público, não deveria pegar fila.
Conheço bem. Meu pai foi um deles. Lembro-me dele arrasado toda vez que perdia um paciente. Exultante quando salvava alguém.
Ler a vida de Hipócrates é um espetáculo. Ver como ele estabeleceu em priscas eras os processos, como registrou meticulosamente os sintomas das doenças. E se expôs a elas num mundo de tão pouca assepsia.
Eu adoro médico. Sou hipocondríaco. Um dia fui dar uma palestra na Escola Paulista de Medicina e falei para 300 médicos. Nossa! Por mim, eu trancava a sala e morava ali, só aprendendo e trocando receitas.
Então, hoje, aproveitando que tem tantos políticos nos hospitais e de quarentena, reflitamos sobre o que podemos fazer por eles. O que podemos aprender com eles.
É para você, jovem médico da Lombardia ou de Paraopeba, que eu rezo nesta Quaresma.
E agradeço a Deus por uma parte da humanidade ter se dedicado a cuidar de nós.
Meu psiquiatra, por exemplo, tem um sobrenome lindo: Guerra. Arthur Guerra luta todo dia contra a depressão, a bipolaridade, as neuroses e as compulsões das pessoas. Ele me devolveu o sono, o norte. É quase cura. Porque ele é muito bom, mas não é Deus (kkk).
O Dia do Médico é em outubro. E eu proponho que esse seja um acontecimento especial. Que as TVs abracem a data. Que a imprensa mobilize o país para agradecer pelo que fizeram, pelo que estão fazendo e pelo que farão.
Este meu texto está meio cafona. Todas as cartas de amor são ridículas, dizia Fernando Pessoa.
Este artigo é para a gente refletir nessa Quaresma. Qual é o nosso propósito na Terra? Somos fiéis a ele? Ou estamos seguindo o triste caminho do propósito nenhum?
Os médicos sabem melhor o sentido da vida porque vivem todo dia com a morte. Eles veem o que os homens pensam quando estão terminais, quando perdem os que amam. Eles veem crianças que nunca viveram, mas também têm a satisfação máxima de salvar, de curar, de trazer ao mundo ou consolar o inconsolável. Eles estão salvando a gente desse inimigo letal e invisível, enquanto você lê seu jornal e eu me resguardo em minha quarentena.
Mas são eles que colocam esta raça no mundo e que apertam nossa mão quando nos despedimos do mundo.
Penso nos médicos nas guerras, nos que trabalham em Aleppo, na Síria, nas Torres Gêmeas, em Hiroshima. Muitos morreram no dia de hoje por causa dessa ou de outra doença.
Meu irmão é médico. Nesses dias eu tenho pensado muito nele, que dirige hospital de doenças contagiosas.
Por que um ser humano escolhe viver assim? Porque esta raça é humana. E é por você, jovem médico, que vai assustado, mas orgulhoso para o seu trabalho, que esta raça pode ser chamada de humana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia