Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 28/02/2020.
Alterada em 27/02 às 21h23min
COMENTAR | CORRIGIR

Crônica de uma crise anunciada

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nelson_barbosa-8871142.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d897088cf', 'cd_midia':8871142, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nelson_barbosa-8871142.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nelson_barbosa-8871142.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d897088cf', 'cd_midia':8871142, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nelson_barbosa-8871142.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Professor da FGV e da UnB, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento (2015-2016). É doutor em economia pela New School for Social Research.
O ano começou para valer depois do Carnaval, e tudo indica fortes turbulências à frente, de origens externas e internas.
No cenário internacional, entramos 2020 com as incertezas dos atritos entre Irã e EUA, que, agora, parecem distantes no passado. O surto do coronavírus é, hoje, a principal preocupação mundial, e seus efeitos já se manifestaram por aqui.
Do ponto de vista econômico, a disseminação do coronavírus é um choque negativo de demanda e oferta.
Na demanda, o medo e as políticas necessárias para a contenção do vírus reduzem gastos das famílias e das empresas a curto prazo, sobretudo no setor de serviços e turismo.
Os gastos do governo tendem a aumentar - lembre-se do hospital que os chineses construíram em uma semana -, mas o efeito líquido da crise deve ser queda da demanda global no curto prazo.
Na oferta, o combate à disseminação da doença desacelerou ou mesmo parou a indústria em várias partes do mundo, criando problemas para cadeias produtivas baseadas em insumos importados. Isso reduz temporariamente a oferta mundial em vários setores.
Segundo manuais de economia, retração simultânea de demanda e oferta tem grande impacto negativo sobre renda e emprego, mas efeito indeterminado sobre preços. No mundo real, o impacto sobre a inflação global tende a ser negativo, dado que o mundo já estava desacelerando antes da crise atual.
Até agora, as expectativas de mercado são de comportamento em "V" da economia mundial, puxada pela China. Segundo alguns grandes bancos internacionais, o crescimento chinês deve cair de 6% ao ano, no fim de 2019, para apenas 1%, neste trimestre. Depois espera-se recuperação rápida por lá, com crescimento entre 7% e 9% no meio do ano e retorno à velocidade de 6% no fim de 2020.
A recuperação em "V" da economia chinesa é baseada na expectativa de rápida recomposição de estoques após a contenção do coronavírus, bem como nas políticas de estímulo que o governo de lá anunciou para o restante do ano.
Torço para que as expectativas de mercado estejam corretas, mas a disseminação do coronavírus pelo mundo indica que o problema pode durar mais tempo do que o esperado. A crise é temporária, mas o curto prazo pode ser longo o suficiente para ter efeitos significativos na economia.
Em paralelo aos problemas de fora, por aqui vivemos o risco de deterioração política e econômica nos próximos meses. Nosso PIB já deu sinais de desaceleração antes do surto do coronavírus, frustrando as expectativas "agora vai" do mercado.
Os recentes embates do governo com o Congresso também não contribuem para otimismo, dificultando o avanço de ações necessárias para aumentar nossa produtividade (reforma tributária) e aperfeiçoar o gasto público (reforma administrativa).
Hoje, nosso maior risco é andar para trás, com crise institucional e fiscal deflagrada pelo aumento concedido à PM de Minas Gerais, apoio velado do Planalto à insurgência de policiais em outros estados e novos flertes do clã Bolsonaro com o autoritarismo.
Para piorar, a equipe econômica se pintou no canto da sala com teto de gastos e meta de resultado primário. Pelas regras atuais, teremos novo corte de despesa pública em março, em uma economia sob risco de desaceleração. Diante desse risco, não é surpresa que o Congresso chamou para si a execução do gasto discricionário da União. Há excesso de papalvos do lado do governo.
Regra fiscal mal concebida faz o Executivo perder poder justamente quando tudo indica ser necessária ação do Executivo para atenuar a crise que se aproxima.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia