Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 22/11/2019.
Alterada em 22/11 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

A direita deve reconhecer seus erros

ARTE JC
ARTE JC
Professor da FGV e da UnB, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento (2015-2016). é doutor em Economia pela New School for Social Research
A recente liberação do ex-presidente Lula atiçou os analistas de sempre a pedir, mais uma vez, autocrítica por parte do PT. Acho engraçado, pois, como já disse em outra coluna, se tem uma coisa que a esquerda adora fazer, é autocrítica.
Já estamos na autocrítica da autocrítica. Para quem duvida, recomendo participar de alguma reunião interna do PT. O processo não é divertido nem agradável, mas ele ocorre periodicamente em partidos verdadeiramente democráticos.
No caso específico dos governos Lula e Dilma, dos quais tenho orgulho de ter participado, a mais recente cobrança de autocrítica parece desespero diante do fracasso do golpe de 2016 em recuperar o crescimento e fortalecer a democracia.
Do lado da economia, passados mais de três anos desde o afastamento de Dilma Rousseff, aquilo a que assistimos é o lento crescimento da renda e dos salários, com alto desemprego, redução do emprego formal e aumento da desigualdade.
Sim, a inflação e os juros caíram, refletindo correções iniciadas ainda no governo do PT (olha a autocrítica aí), mas, a partir de 2016, com Temer e depois Bolsonaro, o que temos visto é um ajuste desequilibrado, que pune mais quem pode menos.
Do lado da política, a luta contra a corrupção demonstrou, mais uma vez, ser cortina de fumaça daqueles que não prezam pela democracia e sonham com o retorno de práticas autoritárias.
A revelação de conversas entre os membros da Operação Lava Jato, publicadas pelo portal Intercept Brasil e por outros veículos, indicam que as investigações adotaram dois pesos e duas medidas e desrespeitaram as normas básicas do Estado democrático de Direito, contra lideranças de esquerda.
Mais recentemente, manifestações de membros do governo, da família e de apoiadores de Bolsonaro flertam semanalmente com a ruptura institucional, sem resposta à altura por parte daqueles que sempre foram rápidos em criticar qualquer coisa da esquerda.
Para fechar o pacote, no último fim de semana, grupos de extrema direita saíram às ruas para atacar o Supremo Tribunal Federal. Um deles, sob o pretexto de defender a nação, chegou a prestar continência a uma réplica da Estátua da Liberdade, em frente a uma loja de departamentos. Só faltou cantar o hino norte-americano.
Diante dos excessos de nossos nacionalistas de Miami, já passou da hora de os líderes e intelectuais "demotucanovos" fazerem autocrítica em relação ao que patrocinaram desde 2016. Será um processo difícil para quem acha que só existe um modelo de economia e sociedade, mas cobro mesmo assim, pois sou brasileiro e não desisto nunca (olha outra autocrítica aí).
Nossa direita deve fazer autocrítica por ter sabotado o governo Dilma e aumentado a recessão em 2015, por ter apoiado a ruptura institucional e piorado ainda mais a economia em 2016, por defender a destruição desnecessária de empresas e empregos em nome do combate à corrupção, que se revelou perseguição política, por fazer vista grossa à violação das normas básicas da democracia contra seus adversários, por politizar o Judiciário e a judicializar a política, por minimizar o papel das fake news e da censura contra a esquerda na eleição de 2018 e por patrocinar um projeto de desenvolvimento para poucos, que reduz a rede de proteção social do Estado muito além do que seria justificado por considerações fiscais.
Não se preocupem com a autocrítica do PT, ela continua viva e aberta ao debate, inclusive com a direita. Se preocupem com a Caixa de Pandora que vocês mesmos abriram e não sabem como fechar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia