Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de outubro de 2019.
Dia do Funcionário Público. Dia de São Judas Tadeu.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 28/10/2019.
Alterada em 27/10 às 21h29min
COMENTAR | CORRIGIR

Seguro de vida: manter ou cancelar

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_marcia_dessen-8871117.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d85e7a859', 'cd_midia':8871117, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/marcia_dessen-8871117.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Marcia Dessen', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Marcia Dessen', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '100%', 'cd_midia_h': '100%', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_marcia_dessen-8871117.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d85e7a859', 'cd_midia':8871117, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/marcia_dessen-8871117.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Marcia Dessen', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Marcia Dessen', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '100%', 'cd_midia_h': '100%', 'align': 'Left'}
Em 2003, Celina contratou um seguro de vida cuja mensalidade inicial, de R$ 114,00, foi sendo reajustada ao longo dos anos e hoje, 16 anos depois, se aproxima dos R$ 600,00.
Boa parte desse acréscimo se deve ao fato de terem, ela e o marido, beneficiário da apólice, completado 65 anos de idade. Relevante informar que o valor atual da cobertura, de R$ 145 mil, não aumentou na mesma proporção.
A mensalidade que antes cabia no orçamento não cabe mais. Ambos estão aposentados, ganhando menos do que ganhavam quando estavam na ativa. Por conta do aperto no orçamento, foram obrigados a substituir um plano de saúde amplo que pagaram por 25 anos por outro, básico, com cobertura limitada à região onde residem.
Ela lamenta profundamente a hipótese de cancelar mais um contrato depois de terem contribuído com muito dinheiro, durante tanto tempo. De fato, não é uma decisão simples.
Para ajudar Celina a tomar a decisão de manter ou não o seguro, sugeri uma volta ao passado para recordar o que ela tinha em mente quando decidiu comprar o seguro, qual foi a intenção na época, que risco ela queria proteger naquela fase da vida.
Muitas vezes, contratamos o seguro para proteger os filhos, ainda menores e dependentes financeiramente dos pais, visando deixar algum dinheiro para ampará-los no caso da falta dos pais provedores. Essa foi a motivação de Celina.
Com o passar dos anos, a situação familiar se transforma. Os filhos crescem, começam a trabalhar e ficam independentes. Idealmente, o casal forma um patrimônio, consegue comprar e pagar a casa própria, e acumula uma reserva financeira para a velhice.
Quando esse cenário acontece, o risco que precisava ser protegido não existe mais, e manter o seguro pode deixar de fazer sentido. Dependendo da estrutura familiar, independência financeira de filhos, inexistência de outros dependentes, e patrimônio suficiente para bancar a aposentadoria, pode ser sensata a hipótese do cancelamento do contrato.
Importante entender a razão de ter contratado o seguro para aliviar a sensação de perda, de desperdício, de ter pago por uma coisa durante tanto tempo e largar todo o dinheiro para trás, caso optem pelo cancelamento do contrato.
Quando compramos seguro para o carro, por exemplo, a situação é semelhante. Pagamos o prêmio do seguro para nos proteger contra o risco de colisão ou roubo do veículo.
Decorrido um ano, agradecemos que nada aconteceu, não usamos o seguro, mas não recebemos o dinheiro de volta. Afinal, a seguradora, aceitou ficar com o risco que não queríamos, correu o risco no nosso lugar e recebeu o prêmio para compensar o risco que assumiu.
Recomendei que Celina fizesse essa reflexão, conversasse com marido e filhos para decidirem, em conjunto, o que faz mais sentido para eles.
A pergunta-chave que eles precisam responder é: "Ainda precisamos dessa cobertura?".No caso da morte do segurado, R$ 145 mil resolvem o problema da família? Se a resposta for positiva, procurem manter, desde que consigam encaixar o compromisso no orçamento, sacrificando outras despesas, menos prioritárias.
Caso contrário, avaliem a hipótese de encerrar o contrato, sem culpa, cientes de que foi bom enquanto durou, enquanto foi necessário.
A família pode manter os aportes mensais em aplicações financeiras, na medida em que o orçamento permitir, e reforçar a reserva financeira necessária para complementar a renda durante a aposentadoria, desfrutando dos recursos em vida.
Planejadora financeira CFP (
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia