Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 03/09/2019.
Alterada em 02/09 às 21h45min

Judicialização das assistências sociais

Em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, e com data de votação próxima, está a reforma da Previdência, que recebeu recentemente parecer favorável de seu relator, o senador Tasso Jereissati.
Em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, e com data de votação próxima, está a reforma da Previdência, que recebeu recentemente parecer favorável de seu relator, o senador Tasso Jereissati.
O parecer mantém grande parte do texto que foi aprovado na Câmara, mas suprime alguns trechos ditos "equivocados", como o que estabelece o limite de renda per capita de do salário mínimo para a concessão do BPC (Benefício de Prestação Continuada) no próprio texto constitucional. Pela argumentação do relator, a inclusão do limite no texto tornaria o acesso ao benefício mais difícil. Essa seria uma constatação bastante curiosa, já que o critério está estabelecido em lei complementar ao texto constitucional, a Loas (Lei Orgânica da Assistência Social). Assim, sua inclusão deveria ser apenas mera formalidade.
Entretanto, essa alteração é relevante. A inclusão na Constituição consolida o critério econômico na concessão do benefício, que, apesar de claro na Loas, é ignorado e frequentemente reinterpretado pelo Judiciário.
Considerar o BPC um direito constitucional sem critérios claros permite que questões relativas às políticas públicas e sociais do país passem a ser decididas pelo Judiciário. Não se pode negar a importância e o destaque da Justiça quando arbitra situações controversas entre o Estado e sua população. Contudo, não deve o Judiciário decidir ele mesmo os parâmetros de cada política pública por dois importantes motivos.
Primeiro, decisões atomísticas sobre parâmetros específicos da assistência --como o caso em questão-- não levam em consideração as demais obrigações que o Orçamento público precisa atender. Para um dado Orçamento, dar para uns necessariamente significa tirar de outros. Nesse sentido, políticas públicas precisam ser pensadas em seu conjunto, e decisões judiciais são incapazes de internalizar os custos de um aspecto isolado da assistência.
E segundo, a disputa judicial pela assistência social é um espaço privilegiado de acesso. Complexa em sua natureza, a judicialização deixa de fora os mais vulneráveis, justamente aqueles que deveriam ser protegidos e amparados pelo Estado.
A disputa legal pelo acesso ao BPC decorre principalmente da interpretação subjetiva que o Judiciário associa ao idoso e deficiente em situação de vulnerabilidade. Ainda que a regra seja clara --pobreza para acesso ao BPC é do salário mínimo per capita--, o Supremo chancelou, em 2013, entendimento de que outros critérios poderiam ser adotados.
Assim, os números da judicialização não surpreendem. Segundo relatório do TCU (Tribunal de Contas da União), dos R$ 53,2 bilhões pagos ao BPC em 2017, R$ 6,4 bilhões foram por decisão judicial, ou seja, 12,2%. Se a judicialização privilegia a parcela da população de maior renda, o benefício passa a ser destinado a quem menos precisa dele. A Controladoria-Geral da União identificou, em 2017, 467 mil beneficiários acima do limite de renda per capita estipulada para o benefício.
E quem perde nesse jogo? Os idosos e deficientes realmente pobres, a quem o BPC não alcança. De acordo com o TCU, a subcobertura do programa para 2006 é de ao menos 27%. Ainda mais alarmante, o mesmo relatório documenta que 6% dos beneficiários estavam entre os 25% mais ricos da população.
O ativismo judicial em torno do BPC minimiza o grande potencial de atuação das políticas assistenciais na redução das desigualdades. Critérios objetivos ajudariam a tornar o BPC mais focado e justo. Ao contrário do que foi argumentado, é a própria exclusão do critério econômico em texto constitucional que dificulta o acesso ao BPC e o torna difícil justamente para os que mais precisam dele: os mais pobres.
Economista, professora da EPGE (Escola Brasileira de Economia e Finanças) da FGV
Comentários CORRIGIR TEXTO