Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de maio de 2019.
Dia do Assistente Social.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Marcos Jank
Marcos Jank

Opinião Econômica

Edição impressa de 15/05/2019. Alterada em 14/05 às 21h56min

Impacto e lições da peste suína

A China, país que produz e consome mais da metade da carne suína mundial, vem sendo devastada por uma grave epidemia de peste suína africana. A situação é calamitosa:
1. Estima-se perda de 134 milhões de cabeças - sobre um total de 684 milhões -, gerando uma queda da ordem de 20% na produção de carne suína, que pode chegar a 35% se o pior cenário desenhado pelo Rabobank se concretizar.
O problema se agrava com o grande trânsito de animais dentro da China e com o Sudeste asiático, além do fato de um quinto da produção doméstica vir de "fundo de quintal", com alta exposição ao vírus e controle sanitário precário.
2. Para o Brasil, o principal impacto negativo se dará sobre as exportações de soja, produto que lidera a pauta exportadora brasileira e componente essencial da ração de suínos e aves em propriedades tecnificadas. Estima-se uma queda de 5 milhões a 10 milhões de toneladas no nosso volume previsto de exportações para a China em 2019/2020, um cenário que pode se agravar no ano que vem, ainda que terceiros países (Europa, principalmente) devem comprar mais do Brasil para poder ampliar as suas exportações de carnes para a China.
3. Vencida a crise, no longo prazo teremos ganhos com a inevitável mudança do modelo de produção de carnes da China: maior controle sanitário, escala e profissionalização do produtor com melhoria da genética, manejo e nutrição dos animais, o que favorecerá o consumo de farelo de soja.
4. Há a possibilidade de a China se abrir mais para a importação de carnes, que hoje respondem por menos de 5% do seu consumo. Mas esse segmento não crescerá de forma automática, como alguns querem crer.
Ocorre que, ao contrário de commodities agrícolas como soja, algodão e celulose - para as quais o mercado encontra-se totalmente aberto para Brasil -, nas proteínas animais o acesso se dá por meio de um processo moroso e pouco transparente de habilitação de plantas industriais, caso a caso.
Apenas 62 unidades brasileiras estão autorizadas a exportar para a China, número muito reduzido, e três estão autorizadas a exportar carne suína. No curto prazo, quem ganhará mercado são frango e carne bovina, substitutos do suíno.
5. Hoje, a China consome 84 kg de carnes por habitante/ano. A atual exportação de carnes do Brasil para China e Hong Kong equivale ao volume de 1 kg per capita/ano na China (1,4 milhão de toneladas). Com mais 1 kg/hab/ano, já estaríamos dobrando a exportação.
6. Uma última questão relevante é status sanitário. Até aqui o Brasil escapou ileso das principais epidemias do mundo atual: gripe aviária e peste suína. Além da necessidade de reforçar os controles de defesa sanitária, o Brasil deveria pleitear a ampla aceitação de dois instrumentos fundamentais para garantir o acesso aos mercados, mesmo que parcial.
O primeiro é a "regionalização sanitária", que comporta nosso status de área livre de febre aftosa com vacinação.
O segundo é a "compartimentalização sanitária", que é o reconhecimento de sistemas integrados livres de doenças graças à adoção de práticas mais elevadas de biossegurança e rastreabilidade. O Brasil já possui "compartimentos" em que o controle da gripe aviária é extremamente elevado, que hoje servem de exemplo para o mundo.
Todos os pontos aqui apresentados estão ligados a "lições de casa" que precisam ser feitas neste momento: visão estratégica, melhor coordenação do setor privado, medidas suplementares de defesa sanitária e negociação qualificada com nossos parceiros no exterior.
Esta coluna foi escrita em parceria com Rodrigo C A Lima, sócio-diretor da Agroicone e especialista em temas sanitários. 
Especialista em questões globais do agronegócio, trabalha em Singapura. É livre-docente em engenharia agronômica pela USP
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia