Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de abril de 2019.
Dia do Contabilista.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Helio Beltrão
Helio Beltrão

Opinião Econômica

Edição impressa de 25/04/2019. Alterada em 24/04 às 22h23min

Sobre os ciclos econômicos

Por mais de dois séculos, os ciclos econômicos persistem a despeito de repetidas alusões a uma "nova era de prosperidade".
Os ciclos se manifestam por alguns anos de crescimento acima da tendência de longo prazo, seguidos de crise e recessão por alguns anos, após os quais se retoma a tendência de longo prazo e se reinicia o ciclo.
O Brasil tem familiaridade com os ciclos. Nosso último foi demarcado pelas capas da revista The Economist. A primeira, em 2009, após o Brasil ter resistido à crise internacional de 2008 com uma mera "marolinha", declarava com otimismo: "O Brasil Decola" estampando o Cristo Redentor como um foguete. Já ao final de 2013, vaticinou: "O Brasil Estragou Tudo?", traçando o foguete rumo ao solo. Desde então, sofremos uma crise sem precedentes.
O primeiro registro de ciclos encontra-se no Velho Testamento. O Faraó teve um sonho. Sete vacas raquíticas emergiram do Nilo e comeram sete vacas gordas que por ali pastavam. José interpretou o sonho. Haveria sete anos de fartura seguidos por sete anos de fome. José recomendou que se poupassem 20% da safra de grãos a cada ano. Quando a fome chegou, o Egito possuía alimentos para atender sua população e assim se tornou a maior potência mundial.
Desde cerca de 1750, início do capitalismo, os ciclos econômicos no mundo passaram a ser mais frequentes. Seriam uma falha fatal do capitalismo? Ocorre que paralelamente estavam em desenvolvimento o sistema bancário e os bancos centrais e houve o surgimento das notas bancárias em substituição a moedas físicas.
A partir da observação de ciclos regulares de entradas e saídas de ouro entre países, foi proposta uma teoria monetária dos ciclos, aperfeiçoada pelos economistas até a consagrada explanação de Ludwig von Mises em 1912, em "Teoria do Crédito e dos Meios Fiduciários".
O argumento é simplificadamente o seguinte. Uma expansão monetária pelos bancos centrais (ou bancos) artificialmente reduz as taxas de juros. As taxas de juros baixas induzem o aumento dos investimentos produtivos, sem que tenha havido correspondente aumento de poupança real. A economia inicialmente se aquece. O consumo aumenta quando deveria arrefecer para financiar, via poupança, o novo nível de investimento.
Inicia-se um insustentável cabo de guerra por bens, reflexo de sobreconsumo e de sobreinvestimentos. Irrompe a inflação de preços ou de ativos, e a realidade se impõe: uma inevitável alta das taxas de juros precipita a crise. A corda se rompe, e inicia-se uma recessão corretiva.
Quanto maior a aventura monetária do banco central, maior a conta a pagar. Böhm-Bawerk dizia que o nível cultural e moral de uma nação é espelhado em sua taxa de juros de mercado. Quanto mais baixo o nível, mais altas as taxas. O Brasil figura mal, com taxas reais de longo prazo de 4,5%, incompatíveis com o crescimento esperado do PIB.
A notícia positiva é que, segundo a análise do ciclo, já estamos há alguns meses na fase de retomada, após três anos depurando os excessos monetários da era Dilma.
O Ibovespa já teve alta de 50% em dólares desde 2016. No entanto, dada a retomada do ciclo, parece haver bom espaço nos próximos três anos para novas altas. Por outro lado, dado o risco das reformas e de eventual piora do cenário internacional, convém se proteger alocando parte da carteira em dólar e em NTNs de longo prazo.
A economia sempre estará sujeita a ciclos, fenômenos complexos que não se explicam por um único fator. Estude as teorias dos ciclos, em especial a descrita por Mises, e otimize você mesmo sua carteira de investimentos.
Engenheiro com especialização em finanças e MBA na Universidade Columbia, é presidente do Instituto Mises Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia